Toys “R” Us: estes são os planos da direção portuguesa para a Península Ibérica

A nova direção da Toys “R” Us na Península Ibérica, liderada pelo diretor executivo Paulo Sousa Marques, anunciou hoje a nova estratégia, o plano de expansão e a intenção de manter os 1300 postos de trabalho na Península.

A empresa vai inaugurar 25 lojas de proximidade nos próximos cinco anos, abrindo a expansão ao modelo de franchising. As lojas vão apostar em experiências imersivas, em zonas de jogo e em espaços próprios para experimentar os brinquedos. “Nos próximos cinco anos vão ser abertas 25 novas lojas express em cidades mais pequenas ou em centros urbanos onde já exista uma loja Toys “R” Us”. Estes novos estabelecimentos constituem “a base de expansão da empresa e médio e longo prazo”, revelou hoje o diretor executivo à imprensa.

A Toys “R” Us” está ainda a estudar a “abertura de novas grandes lojas”. De acordo com informações cedidas à imprensa, o ‘layout’ será implantado, a partir de outubro, em todas as lojas da marca. A cadeia de brinquedos Toys “R” Us decidiu continuar com as operações em Portugal e em Espanha após a sua compra por investidores portugueses. Em agosto deste ano, a empresa portuguesa Green Swan, que fez a aquisição, esclareceu que se tratava de um investimento de 80 milhões de euros ao longo de quatro anos.

“A operação da Toys “R” Us Ibéria continuará em funcionamento e desenvolvimento em Espanha, após um processo de aquisição por investidores portugueses, a Green Swan, representada por Paulo Andrez”, que se juntam à atual equipa de gestão, “como novos proprietários”, informou a empresa em comunicado.

Recorde-se que a unidade norte-americana da Toys ‘R’ Us entrou em falência em setembro do ano passado, tendo sido feito um empréstimo de 3,1 mil milhões de dólares para permitir que algumas lojas se mantivessem a funcionar ao mesmo tempo que a retalhista procurava resolver a difícil situação em que se encontra. Contudo, os resultados alcançados ficaram aquém do esperado durante a quadra natalícia, elevando as dúvidas acerca da viabilidade da cadeia de lojas de brinquedos.

O cenário não foi o esperado. No final de fevereiro, a unidade do Reino Unido declarou falência. Na ocasião a empresa apontou o processo de insolvência como “a única opção viável para a empresa”.

Relacionadas

Toys “R” Us quer abrir 35 novas lojas na Península Ibérica em 5 anos

Empresa pretende nos próximos cinco anos inaugurar nos dois países cerca de 10 novas lojas de dimensão idêntica às existentes e 25 mais pequenas e vocacionadas para estarem localizadas no centro das cidades.

Optimal Investments foi o assessor financeiro da compra da operação ibérica do Toys ‘R’ Us

Jorge Tomé falou com o Jornal Económico e explicou que se tratou de um spin-off da Toys ‘R’ Us internacional (destaque da operação ibérica) e que foi comprada pelos quadros (MBO – management buyout). A operação teve um valor de equity (capital) de 120 milhões de euros.

Toys “R” Us continua em Espanha e Portugal após aquisição por investidores portugueses

A Toys “R” Us Iberia foi adquirida por uma sociedade portuguesa, a Green Swan. “Depois de alguma incerteza, derivada do encerramento do negócio em mercados como os Estados Unidos e Reino Unido, este processo, que contou com o apoio do Grupo Toys “R” Us e dos stakeholders da Toys ‘R’ Us Ibéria, afirma a sustentabilidade do negócio em Espanha e Portugal”, diz a empresa em comunicado.
Recomendadas

Agentes de navegação denunciam paragem laboral no porto de Setúbal

Já há várias semanas consecutivas está a decorrer uma greve dos estivadores às horas extraordinárias nos portos de Lisboa e de Setúbal.

BPI montou a Oferta Pública de Distribuição de Ações da Allianz SE dirigida a trabalhadores

O Banco Português de Investimento foi o banco que ficou com a Organização e Montagem desta operação em Portugal

Impresa consegue reembolsar empréstimo obrigacionista de 30 milhões

Em julho de 2017 a Impresa tentou fazer uma emissão obrigacionista de 35 milhões de euros que acabou por cancelar por não conseguir colocar. Entretanto vendeu as revistas, entre as quais a Visão e a Exame, e o edifício de Paço d’Arcos ao Novo Banco, por 24,2 milhões. Com isto conseguiu pagar aos obrigacionistas o empréstimo emitido em 2014.
Comentários