PremiumToys’R’Us Ibéria quer abrir 25 lojas nos próximos cinco anos

A Toys”R”Us Ibéria escapou ao efeito de contágio da falência da marca nos EUA. Detida por investidores portugueses a estratégia passa pela revitalização da marca, abertura de novas lojas e uma forte aposta no ‘e-commerce’.

Quando uma das marcas mais famosas de brinquedos, a Toys “R” Us, entrou em falência nos Estados Unidos, muitos jovens lamentaram nas redes sociais o fim das lojas que tinham marcaram a sua infância. Em Portugal e Espanha a situação foi diferente. Este ano foi efectuado um processo de compra da Toys”R”Us Ibéria  por parte da sociedade de investimento Green Swan, em 60% e em 40% por parte da antiga equipa de direção.

Paulo Sousa Marques, que se manteve à frente da atual equipa de gestão, assumiu o cargo de CEO ibérico. “Na Península Ibérica  é uma empresa saudável, não deve um tostão a ninguém e tem um ativo imobiliário importante. Em 27 anos de existência nunca teve uma dívida vencida. O efeito contágio, dos Estados Unidos, é sempre uma chatice mas se tivessemos medo disso não tinhamos comprado. “, diz ao Jornal Económico. Atualmente, e depois da aquisição, conta com um património líquido de 112 milhões de euros. Existem 10 lojas em Portugal e 51 em Espanha.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Portugueses querem ressuscitar a Toys ‘R’ Us: este é o plano delineado

“Somos independentes e temos muita vontade de transformar a Toys ‘R’ Us. Queremos o cliente perceba que não somos a mesma empresa, apesar de não termos mudado o nome da marca porque acreditamos que a mesma é um ativo muito valioso”, afirma Paulo Sousa, o novo CEO da Toys ‘R’ Us Ibéria

Toys “R” Us: nascimento e crise da gigante mundial de brinquedos

Empresa foi criada em 1948 por Charles Lazarus, na sequência do baby boom que se seguiu à Segunda Guerra Mundial. Atualmente, vive os dias mais conturbados da sua história.
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários