Trabalhadores consideram greve na Autoeuropa inoportuna

A Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa defendeu hoje nos plenários que é preferível manter o diálogo com a administração que convocar uma nova greve.

Decorreu hoje um plenário de trabalhadores da Autoeuropa, onde ficou decidido que os colaboradores da empresa de origem alemã não vão entrar em greve – face à evidência de que há evoluções positivas nas negociações com a administração. A informação é oriunda de alguns dos trabalhadores que estiveram presentes no plenário.

Mas José Carlos Silva, da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, contactado e citado pela agência Lusa, escusou-se a confirmar ou desmentir qualquer informação sobre o plenário, referindo apenas que os encontros de trabalhadores de hoje serviram para dar conta das negociações em curso com a administração da fábrica e para os ouvir sobre a matéria.

Entre outras reivindicações, os trabalhadores da Autoeuropa reclamam um aumento salarial de 6,5%, com um incremento mínimo de 50 euros por trabalhador, valor superior à proposta inicial da administração, que terá sido de um aumento de 2% e 3% para os próximos dois anos – acima da inflação, de qualquer modo.

Por resolver está ainda a questão dos novos horários de trabalho a partir de agosto, altura em que a Autoeuropa deverá aumentar a produção de forma significativa para responder ao volume de encomendas do novo veículo T-Roc.

No passado mês de dezembro e após a rejeição de dois pré-acordos sobre os novos horários de trabalho, a administração da Autoeuropa decidiu avançar com um novo horário transitório, que entrou em vigor esta semana e que deverá manter-se até final do mês de julho.

Este horário transitório, que inclui a obrigatoriedade do trabalho ao sábado, tem sido muito contestado pelos trabalhadores da fábrica de Palmela, que chegaram a aprovar uma proposta de greve para os dias de amanhã e depois de amanhã, mas que não se concretizou dado não ter tido acolhimento por parte dos sindicatos.

A Autoeuropa deverá atingir este ano uma produção de 240 mil automóveis, a grande maioria do novo modelo T-Roc, veículo que o grupo alemão Volkswagen pretende construir apenas na fábrica de automóveis de Palmela e que está a ter boa aceitação no mercado.

O histórico do diálogo entre os trabalhadores e a administração, ou as várias administrações que têm passado pela fábrica de Palmela, tem sido no sentido de encontrarem-se sempre plataformas de entendimento ao invés da insistência dos pontos de vista diferentes com o recurso à greve.

Ler mais
Relacionadas

Autoeuropa: sindicato quer sábados pagos como trabalho extra mais 250 euros mês por adesão aos novos horários

O SITESUL quer os sábados pagos como trabalho extraordinário e mais 250 euros por mês para os trabalhadores da Autoeuropa que aderirem ao novo horário de transição, refere um comunicado hoje divulgado pelo sindicato afeto à CGTP.
Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Efacec emitiu obrigações no valor de 58 milhões de euros

De acordo com a informação da empresa liderada por Isabel dos Santos, esta operação vai suportar o crescimento sustentado dos negócios do grupo. A Optimal Investments e a Beka Finance atuaram como assessores financeiros da operação.
Comentários