Trabalhadores da Autoeuropa admitem nova greve no próximo ano

Em causa está a contestação face à imposição de um novo horário de trabalho pela administração da empresa, que prevê 17 turnos mensais, com o trabalho pago a dobrar aos sábados.

A comissão de trabalhadores da Autoeuropa está a ponderar uma nova paralisação de dois dias, entre o final de janeiro e o início de fevereiro. Em causa está a contestação face à imposição de um novo horário de trabalho pela administração da empresa, que prevê 17 turnos mensais, com o trabalho pago a dobrar aos sábados, avança o jornal ‘Diário de Notícias’.

A proposta de greve foi apresentada esta quarta-feira por um grupo de trabalhadores da fábrica de Palmela, em plenário. Os trabalhadores contestam a decisão unilateral da empresa de passar a laborar todos os sábados a partir do final do próximo mês. O ‘Diário de Notícias’ indica que a moção que propôs a greve de dois dias terá sido chumbada no primeiro plenário, mas aprovada no segundo.

A confirmar-se este cenário, a Autoeuropa enfrentará a segunda paragem em menos de cinco meses. A primeira greve aconteceu depois de ter sido chumbado o primeiro pré-acordo entre a comissão de trabalhadores e a administração.

Relacionadas

Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa confiante apesar da discórdia sobre novos horários

Os novos horários de laboração contínua preveem quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga em cada dois meses para cada trabalhador.
Recomendadas

Sete bancos criam consórcio para transformar financiamento comercial

Santander, BNP Paribas, Citi, Deutsche Bank, HSBC, Standard Chartered e ANZ vão desenvolver uma “Trade Information Network”.

Há nova greve do Metro de Lisboa a 6 de novembro, primeiro dia de Web Summit

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa marcaram uma nova greve parcial para 06 de novembro, entre as 06:00 e as 09:30, por reivindicações salariais.

‘Homebanking’ do Banco Carregosa adota autenticação com reconhecimento facial

O sistema biométrico, em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o ‘login’, cumpre pelo menos dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais de segurança. A app mobile foi desenvolvida pela tecnológica portuguesa Polygon para os sistemas operativos IOS e Android.
Comentários