Trabalhadores da RTP manifestam insatisfação ao Governo e questionam contratações

A carta, subscrita por cinco sindicatos e pela Comissão de Trabalhadores da RTP, salienta que o “Serviço Público de Rádio e Televisão está a ser prestado num ambiente de crescente insatisfação e injustiça entre os trabalhadores, precários e do quadro”.

Os representantes dos trabalhadores da RTP enviaram hoje uma carta aberta ao Governo a manifestar insatisfação pela situação que se vive na empresa e a questionar as recentes contratações externas para a Direção de Informação.

A carta, subscrita por cinco sindicatos e pela Comissão de Trabalhadores da RTP, salienta que o “Serviço Público de Rádio e Televisão está a ser prestado num ambiente de crescente insatisfação e injustiça entre os trabalhadores, precários e do quadro”.

Em causa estão as novas contratações para a Direção de Informação da televisão pública, numa altura em que os trabalhadores aguardam a progressão nas carreiras e os precários aguardam o reconhecimento do seu vínculo à empresa.

Por isso, os sindicatos e a Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP decidiram enviar a carta aberta ao Governo a perguntar se este tinha autorizado o Conselho de Administração do Serviço Público de Televisão a fazer contratações externas.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, perguntam também se o Governo tenciona proceder à resolução das situações “de descongelamento ou progressão nas carreiras e de integração de trabalhadores com vínculo precário” e quando tenciona fazê-lo.

Na missiva o Governo é ainda questionado sobre o que pretende fazer “face à depauperização dos recursos humanos e técnicos que asseguram o Serviço Público de Rádio e Televisão”.

Entretanto, a CT obteve resposta a um pedido de reunião com a ministra da Cultura, que tutela a RTP. O encontro foi agendado para segunda-feira.

Ler mais
Recomendadas

TAP disse que o negócio da manutenção e engenharia no Brasil atingirá lucro operacional de 3 milhões

Num almoço com os jornalistas, em Lisboa, Antonoaldo Neves afirmou que “a TAP Manutenção e Engenharia Brasil vai atingir o ‘breakeven’ este ano” e que para 2019 esperam que registe “um lucro operacional de três milhões”

ASF “delibera a constituição de um grupo de trabalho” para supervisionar a Associação Mutualista

A ASF desde que ganhou a supervisão das maiores Mutualistas que “dispõe de poderes de monitorização das ações e diligências adotadas pelas associações mutualistas relevantes com vista à progressiva adaptação ao quadro regulatório e de supervisão do setor segurador”, para assegurar essa função constituiu um grupo de trabalho.

TAP vai pagar 120 milhões da sua dívida a partir de março

“Nós fizemos operações de dívida de carta de crédito de financiamento de aeronaves de mais de mil milhões de euros nos últimos 12 meses”, garantiu o gestor, referindo haver bancos que, pela primeira vez, avançaram financiamento, incluindo no Brasil e nos Estados Unidos.
Comentários