Trabalhadores da Ryanair e Groundlink avançam com pré-aviso de greve

O SINTAC – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil emitiu, em nome dos trabalhadores da Ryanair e Groundlink, um pré-aviso de greve com início na terça-feira, dia 16, e que se prolonga até 15 de julho.

De acordo com o comunicado do SINTAC, ao abrigo do disposto no Art.º 534 do Código do Trabalho, estão previstas duas horas de greve ao início e ao fim de cada turno, respetivamente, assim como a todo o trabalho suplementar, exceto aos feriados.

No mesmo comunicado, o sindicato explica que, apesar das tentativas junto das empresas para resolver e mitigar “as difíceis, deficitárias e muito precárias condições em que laboram os trabalhadores de ambas as empresas, estas nunca se predispuseram a efetuar um real esforço no sentido de se chegar a um entendimento quanto as preocupações vindas dos trabalhadores”.

O SINTAC acusa tanto a Ryanair como a Groundlink de “terem tido uma atitude agressiva, totalitária e de chicote em riste para com os trabalhadores, pressionando-os sempre que davam sinal de querer reivindicar os direitos consagrados na Constituição”.

O organismo que representa os trabalhadores do setor da aviação garante ainda que, foi alvo de insinuações vis e infundadas com o objetivo de intimidar “quem pelos trabalhadores e os seus direitos, luta de uma forma incansável e sem receios deste tipo de intimidações”.

Recomendadas

Toys “R” Us quer recuperar quota e faturar 170 milhões este ano

A multinacional reforçou a sua presença ‘online’ para recuperar a quota de mercado em Portugal e Espanha e quer faturar mais de 170 milhões de euros este ano.

Imobiliárias com novas obrigações de comunicação de operações

Empresas têm a partir do próximo dia 26 novas obrigações de identificação, controlo e comunicação de operações de compra, arrendamento, venda ou permuta.

Presidente do BCP defende fim do sigilo bancário nas comissões parlamentares de inquérito

Miguel Maya defende o fim do sigilo bancário nas comissões parlamentares de inquérito.
Comentários