Trabalhadores dependentes com recibos verdes não podem mexer na base dos descontos

Esta medida consta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e vem clarificar uma lacuna da lei que entrou em vigor no início de 2018 e que alterou o regime contributivo dos recibos verdes.

As pessoas que acumulam rendimentos de trabalho dependente e independente não podem optar por subir ou descer em 25% a parcela de rendimento sujeita contribuições para a Segurança Social, nos trimestres em que perdem a isenção dos descontos.

Esta medida consta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e vem clarificar uma lacuna da lei que entrou em vigor no início de 2018 e que alterou o regime contributivo dos recibos verdes.

Este novo regime mudou as taxas e a fórmula de cálculo do rendimento relevante que serve de base de incidência contributiva tendo ainda criado a possibilidade de o trabalhador poder aumentar ou diminuir em 25% aquele rendimento.

Esta possibilidade não está, no entanto, disponível para as pessoas que acumulam atividade profissional por conta de outrem com trabalho independente, segundo a Lei do OE.

“A base de incidência contributiva dos trabalhadores independentes com rendimento relevante mensal médio apurado trimestral ou anualmente, consoante os casos, de montante igual ou superior a quatro vezes o valor do Indexante de Apoios Sociais, que acumulem atividade independente com atividade profissional por conta de outrem […] corresponde ao valor que ultrapasse aquele limite”, refere o OE, acrescentando que, nesta situação, não é possível ao trabalhador optar “pela fixação de um rendimento superior ou inferior até 25% àquele que resultar dos valores declarados”.

Esta alteração visou, segundo afirmou à agência Lusa fonte oficial do Ministério do Trabalho, clarificar o regime contributivo dos trabalhadores independentes. “O montante da contribuição apurada é aquele que resulta ’tout court’ do rendimento, sem possibilidade de subir ou descer 25%”, precisa a mesma fonte.

Em termos práticos, apenas são chamados a fazer descontos para a Segurança Social os trabalhadores por conta de outrem que, na parcela de rendimentos que aufiram através de recibos verdes, ultrapassem um valor mensal equivalente a 1.743,04 euros.

Ler mais
Relacionadas

Recibos verdes: saiba o que muda

Com o novo regime, deixa de haver escalões e os trabalhadores independentes passam a ter uma obrigação declarativa trimestral, que deve ser feita até ao último dia de janeiro, abril, julho e outubro, em relação aos rendimentos obtidos nos três meses anteriores.

Recibos verdes também têm direito a subsídio de desemprego? Sim, saiba como

Trabalhadores a recibos verdes têm direito ao subsídio por cessação de atividade, desde que tenha obtido de uma única entidade contratante mais de 50% do valor total dos seus rendimentos anuais resultantes da atividade independente.

Há novas regras para recibos verdes. Saiba o que vai mudar

Contribuintes com contabilidade organizada vão começar a ser notificados a partir desta quinta-feira, 1 de novembro. Mais 50 mil trabalhadores independentes têm de decidir, até final do mês, como pretendem fazer as contribuições durante o próximo ano. Saiba aqui o que muda.
Recomendadas

REN vai propor que dividendo se mantenha em 17,1 cêntimos

Para a REN, este valor, que se mantém desde 2013, está em linha com a “política de dividendos anunciada no último Capital Markets Day”.

Lucros da REN recuam 8,1% para 115,7 milhões de euros em 2018

REN anunciou redução dos lucros em 2018 e justificou a quebra com a subida da taxa de imposto.

Marcelo promulga lei da Paridade

Presidente da República indicou preferir que a alteração sobre legislação eleitoral não fosse submetida a promulgação a pouco menos de seis meses de eleição a que se aplica.
Comentários