Trabalhadores dependentes com recibos verdes não podem mexer na base dos descontos

Esta medida consta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e vem clarificar uma lacuna da lei que entrou em vigor no início de 2018 e que alterou o regime contributivo dos recibos verdes.

As pessoas que acumulam rendimentos de trabalho dependente e independente não podem optar por subir ou descer em 25% a parcela de rendimento sujeita contribuições para a Segurança Social, nos trimestres em que perdem a isenção dos descontos.

Esta medida consta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e vem clarificar uma lacuna da lei que entrou em vigor no início de 2018 e que alterou o regime contributivo dos recibos verdes.

Este novo regime mudou as taxas e a fórmula de cálculo do rendimento relevante que serve de base de incidência contributiva tendo ainda criado a possibilidade de o trabalhador poder aumentar ou diminuir em 25% aquele rendimento.

Esta possibilidade não está, no entanto, disponível para as pessoas que acumulam atividade profissional por conta de outrem com trabalho independente, segundo a Lei do OE.

“A base de incidência contributiva dos trabalhadores independentes com rendimento relevante mensal médio apurado trimestral ou anualmente, consoante os casos, de montante igual ou superior a quatro vezes o valor do Indexante de Apoios Sociais, que acumulem atividade independente com atividade profissional por conta de outrem […] corresponde ao valor que ultrapasse aquele limite”, refere o OE, acrescentando que, nesta situação, não é possível ao trabalhador optar “pela fixação de um rendimento superior ou inferior até 25% àquele que resultar dos valores declarados”.

Esta alteração visou, segundo afirmou à agência Lusa fonte oficial do Ministério do Trabalho, clarificar o regime contributivo dos trabalhadores independentes. “O montante da contribuição apurada é aquele que resulta ’tout court’ do rendimento, sem possibilidade de subir ou descer 25%”, precisa a mesma fonte.

Em termos práticos, apenas são chamados a fazer descontos para a Segurança Social os trabalhadores por conta de outrem que, na parcela de rendimentos que aufiram através de recibos verdes, ultrapassem um valor mensal equivalente a 1.743,04 euros.

Ler mais
Relacionadas

Recibos verdes: saiba o que muda

Com o novo regime, deixa de haver escalões e os trabalhadores independentes passam a ter uma obrigação declarativa trimestral, que deve ser feita até ao último dia de janeiro, abril, julho e outubro, em relação aos rendimentos obtidos nos três meses anteriores.

Recibos verdes também têm direito a subsídio de desemprego? Sim, saiba como

Trabalhadores a recibos verdes têm direito ao subsídio por cessação de atividade, desde que tenha obtido de uma única entidade contratante mais de 50% do valor total dos seus rendimentos anuais resultantes da atividade independente.

Há novas regras para recibos verdes. Saiba o que vai mudar

Contribuintes com contabilidade organizada vão começar a ser notificados a partir desta quinta-feira, 1 de novembro. Mais 50 mil trabalhadores independentes têm de decidir, até final do mês, como pretendem fazer as contribuições durante o próximo ano. Saiba aqui o que muda.
Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários