Trabalhadores do Montepio deixam de usar gravata à sexta-feira

O Banco Montepio já tinha anteriormente terminado com a obrigação durante o verão, mas agora prolongou a medida durante as 52 semanas do ano. O BCP anunciou em maio que o uso da gravata passava a ser facultativo durante o verão nas instalações do banco.

Cristina Bernardo

O Banco Montepio anunciou que os seus trabalhadores vão deixar de usar gravata todas as sextas-feiras do ano. A medida foi divulgada pela entidade bancária através de um comunicado esta sexta-feira.

Com esta decisão, o Montepio “espera ter impacto tanto a nível interno como externo. Todos os colaboradores ganham em conforto, pelo vestuário mais casual e pelo espaço mais descontraído e informal”.

O Banco Montepio pretende assim que os seus colaboradores adotem um “dress code mais flexível”, esperando a direção de gestão de pessoas “contribuir para o reforço de uma cultura organizacional mais flexível e inovadora, criando um ambiente de trabalho menos formal”.

Em maio, também o BCP havia anunciado que entre 1 de junho e 30 de setembro, o uso da gravata passava a ser facultativo nas instalações do banco e “apenas obrigatória na deslocação a clientes ou de representação do banco”, conforme avançou o Jornal de Negócios.

A entidade bancária justificava esta decisão baseada no facto de que durante “o período de verão, altura do ano em que as temperaturas são mais altas, o uso da gravata nas nossas sucursais será flexibilizado, aliando um maior conforto e bem-estar dos colaboradores, a uma imagem de maior modernidade para o mercado”.

Recomendadas

Grandes devedores à banca. Veja aqui a lista entregue pelo Banco de Portugal

Esta é a lista agregada dos grandes devedores dos bancos que recorreram a ajuda pública, informação em que não consta o nome dos clientes incumpridores.

BPI realça que dívida grega explica 80% das perdas de 2011. Grandes devedores representam 100 milhões de euros

“Como decorre da informação hoje publicada pelo Banco de Portugal, além das perdas em dívida grega, o BPI apresenta apenas na lista de grandes devedores nove situações adicionais, que atingem em conjunto o valor de 100 milhões de euros”, esclarece o BPI.

Governo escreve ‘cartão-missão’ à CGD e pede “gestão de risco adequada”

“Rendibilidade das operações, associada a uma gestão de risco adequada, e por uma rede de serviços financeiros abrangente”. Governo define prioridades do banco público em ‘carta missão’ onde elogia a administração de Paulo Macedo.
Comentários