Tranquilidade lança seguro para o Alojamento Local

A nova legislação, que entrou em vigor em outubro, obriga o proprietário a ter um seguro para eventuais acidentes sofridos por hóspedes causados por elementos específicos do alojamento.

A Tranquilidade é mais uma seguradora a lançar uma solução de seguros para o Alojamento Local (AL) que garante as necessidades de proteção do imóvel e as responsabilidades associadas a este negócio.

A nova legislação obriga o proprietário a ter um seguro para eventuais acidentes sofridos por hóspedes causados por elementos específicos do alojamento, “como a queda de uma prateleira ou um prego saído do chão”.

Para além do seguro multirrisco, que protege o imóvel e o recheio, incluindo bens dos hóspedes, o novo seguro da Tranquilidade integra a cobertura de Responsabilidade Civil Alojamento Local, “que dá resposta às exigências da nova legislação do alojamento local, que entrou em vigor em outubro do ano passado”, revela o comunicado da seguradora.

“O produto inclui também um Serviço de Assistência ao Realojamento, em caso de inabitabilidade no Alojamento Local, que ajuda a encontrar um novo alojamento para os hóspedes e reembolsa as despesas”, diz a companhia que integra a Seguradoras Unidas.

A Tranquilidade diz ainda que os clientes “têm ainda ao seu dispor uma cobertura facultativa de perda de rendimento devido ao cancelamento de reservas por inabitabilidade do Alojamento Local”.

A seguradora detida pelo fundo Apollo assegura “um negócio de alojamento local mais protegido, com uma solução completa e simples, que cumpre o requisito da obrigatoriedade de seguro”, lê-se na nota.

Ler mais
Recomendadas

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

PremiumCTT injetam 100 milhões no banco para comprar 321 Crédito

BCE autorizou aquisição porque os CTT garantiram aumento de capital. Na AG, 44% do capital presente, incluindo o maior acionista Champalimaud, recusou menção de louvor à gestão de Lacerda.

PremiumCGD está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários