Transtejo vai ter 57 milhões para comprar 10 novos navios a gás natural

Os novos navios terão capacidade para transportar entre 400 a 450 passageiros. O primeiro será entregue até final de 2020, com a entrega a estar completa até 2024.

Cristina Bernardo

O Governo aprovou em conselho de ministros um plano de investimento no valor total de 90 milhões de euros para a Transtejo.

Este plano prevê 57 milhões de euros para comprar 10 novos navios com a capacidade para transportar entre 400 e 450 passageiros, que serão movidos a gás natural.

O primeiro navio deverá ser entregue no final de 2020, com os restantes nove navios a serem entregues até 2024.

O uso de gás natural vai permitir reduzir para metade as emissões de dióxido de carbono, uma descida de mais de cinco mil toneladas de dióxido de carbono por ano.

Os restantes 33 milhões vão servir para a manutenção da frota já existente, segundo um comunicado divulgado esta quinta-feira no site do Governo.

Os 57 milhões de euros para a aquisição dos 10 novos navios vão ser partilhados pelo Fundo Ambiental (40 milhões), pelo Progranma Operacional de Sustentabilidade no Uso de Recursos (15 milhões) e através do próprio orçamento da Transtejo.

A Transtejo é a empresa pública que assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão e Lisboa.

Recorde-se que a falta de embarcações tem gerado o suprimento de várias carreiras da Transtejo, tal como no dia 11 de dezembro quando os utentes se indignaram com uma embarcação sobrelotada no Seixal, devido ao cancelamento da viagem anterior.

Os Verdes criticaram então o Governo no Parlamento: “Há barcos parados na Lisnave que podiam estar a funcionar enquanto os novos não vêm”, disse a deputada Heloísa Apolónia a 11 de dezembro a propósito do cancelamento de carreiras.

Em resposta, o primeiro-ministro destacou: “Não posso ter hoje os barcos que vou ter em 2020. Se a encomenda tivesse sido feita pelo anterior Governo, já podiam estar a navegar. Já tentámos alugar barcos como como os comboios, mas não há barcos no mercado que possam ser alugados”, disse então António Costa, dando conta que o Governo estava a investir 18 milhões na reparação de navios da Transtejo.

“Não há barcos no mercado”. Como António Costa justificou falhas na Transtejo no Parlamento

 

Ler mais
Relacionadas

“Não há barcos no mercado”. Como António Costa justificou falhas na Transtejo no Parlamento

Primeiro-ministro reagiu a questões sobre o ponto da situação da renovação da frota da Transtejo, que hoje, dia 11 de dezembro, registou mais um episódio, com uma embarcação sobrelotada no Seixal, que originou o protesto dos clientes.

Transtejo e Soflusa cancelam greves de segunda e terça-feira

A paralisação foi motivada pela “paragem total da negociação do Acordo de Empresa”, em que se pretende a valorização salarial dos trabalhadores da empresa.

Transportes públicos do Tejo convocam greve no período das festas populares de Lisboa

Organizações sindicais da Transtejo e Soflusa marcaram greve para os dias 11 e 12 de junho de 2018, altura que vai coincidir com as festas populares de Lisboa. Ação resulta depois da ronda de reuniões entre as comissões intersindicais e a administração das empresas, que decorreu no início da semana.
Recomendadas

Mafre fora da corrida à Tranquilidade, Catalana Occidente é a candidata espanhola

Assim estão na corrida, a Ageas, a Allianz, a Generalli e a Catalana Occidente. O vencedor deverá ficar escolhido até ao fim do mês.

Presidente do Opart, que gere o Teatro São Carlos, apresentou a demissão

Em comunicado enviado à agência Lusa, o conselho de administração do Opart, organismo que tutela o Teatro Nacional de São Carlos e a Companhia Nacional de Bailado, explicou que “Carlos Vargas apresentou verbalmente a sua demissão” a Graça Fonseca, no sábado, e que hoje “formalizou por escrito a referida demissão”.

Santander Portugal é o banco com melhor Governo Corporativo, segundo ranking da Merco

No âmbito do ranking de Responsabilidade e Governo Corporativo, foram medidos especificamente os indicadores: conhecimento ético, transparência e bom governo, responsabilidade com os empregados, compromisso com o meio-ambiente e as alterações climáticas, e contribuição para a comunidade.
Comentários