Três fogos causaram mais de metade da área ardida em Portugal

Os fogos da Sertã e de Pedrógão são dos maiores registados nos últimos 11 anos, diz Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. Incêndios têm vindo a aumentar de dimensão.

Miguel Vidal/Reuters

O fogo da Sertã, que começou no dia 23 de julho, o de Pedrógão Grande e o de Góis, (17 de julho) destruíram 84 047 hectares, o que corresponde a 51,1% dos 164 249 de floresta que arderam entre 1 de janeiro a 15 de agosto, escreve esta manhã o Jornal de Notícias. Estes três fogos são então responsáveis por mais de metade da área ardida em Portugal.

Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), os fogos da Sertã e de Pedrógão são dos maiores registados nos últimos 11 anos e, há uma tendência para as ocorrências serem cada vez maiores e mais destrutivas (acima dos 100 hectares).

Até 15 de agosto foram registados 82 grandes situações, um número dez vezes superior há 10 anos (oito fogos).

Para Duarte Caldeira, presidente do Centro de Estudos e Intervenção em Proteção Civil, a diferença dos incêndios dos anos anteriores com atualmente está no comportamento das chamas: “Os fogos estão mais gravosos e progridem a uma velocidade maior”. A explicação para este fenómeno é o clima, diz Domingos Xavier, investigador, ao JN. “É uma tendência comum a outros países da Europa, onde os recordes de áreas ardidas também têm sido batidos, resultado das mudanças climáticas.” O investigador recorda ainda que o clima tem vindo a tornar-se mais severo, com períodos de seca e ondas de calor, o que “favorece a ocorrência de incêndios”.

Relacionadas

Financial Times diz que incêndios provam “negligência de Lisboa” perante o Interior

“As feridas expostas pelo desastre e infligidas por décadas de negligência, êxodo rural e afastamento do poder político não podem ser curadas apenas com a ajuda [ondas de solidariedade lançadas depois dos fogos, como apoios do governo e doações] ”, escreve o jornal britânico.

Governo lança apoio de porta a porta nas aldeias afetadas pelos incêndios de junho

Os concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra vão contar com novas iniciativas para atenuar dos danos causados pelos fogos.
Recomendadas

Falta de tempo e de dinheiro impede crianças de praticarem desporto

Estudo do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS) da Universidade de Coimbra revela que saúde, transporte, segurança, instalações, clima, cansaço e falta de interesse das crianças foram outras barreiras apontadas pelos inquiridos

Água de icebergs vendida a 80 euros e água com “frequências sonoras de amor” entre as melhores do mundo

Extraídas a 914 metros de profundidade no Havai, de fontes nas ilhas Fiji ou polvilhadas com ouro. São assim algumas das águas engarrafas mais caras do mundo.

Universidades: Estes são os 10 cursos com as notas de entrada mais elevadas

A Universidade do Porto é a instituição de ensino superior com mais cursos com a nota de entrada mais elevada, seguida pelo Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa. A Universidade do Minho também marca presença. Saiba quais são os cursos com as notas mais elevadas em Portugal.
Comentários