Tribunal de Contas aponta irregularidades na gestão da Loja do Cidadão da Madeira

Entre os anos de 2016 e 2017 o Gabinete de Gestão da Loja do Cidadão da Madeira (GGLC) investiu 274 mil 339 euros na aquisição de bens e serviços.

O Tribunal de Contas realizou uma auditoria à Loja do Cidadão da Madeira sobre a legalidade e regularidade de atos e contratos dispensados onde concluíram existiram irregularidades relacionadas com o aumento do preço dos contratos, a contratação de serviços de assistência técnica a software e o pagamento de despesas de aquisição de bens e serviços.

Entre os anos de 2016 e 2017 o Gabinete de Gestão da Loja do Cidadão da Madeira (GGLC) investiu 274 mil 339 euros na aquisição de bens e serviços, no entanto, algumas despesas não se encontravam devidamente justificadas, diz o Tribunal de Contas.

Quanto aos processos de abonos e de descontos obrigatórios o Tribunal de Contas entendeu que não foram detetadas irregularidades.

No futuro, o Tribunal de Contas recomendou ao Diretor do GGLC o pagamento dos serviços só após “a publicação das fichas dos contratos no Portal da Contratação Pública” e a “confirmação da regular situação contributiva e tributária dos seus beneficiários”. Além disso a auditoria alerta para a necessidade de “um parecer prévio por parte do membro do Governo responsável pela área das Finanças”.

Recomendadas

Restaurantes devem afixar preços com clareza à entrada, diz Deco

A lista do dia e os preços praticados, com taxas e impostos incluídos, devem estar, clara e obrigatoriamente, afixados à entrada do estabelecimento, em local bem visível do exterior.

Aprovado relatório e contas da Assembleia da Madeira de 2017

Na proposta de Orçamento da Região, para a Assembleia da Madeira, estava inscrita uma despesa de 13,6 milhões de euros e uma receita de 13,7 milhões de euros.

UNESCO põe Açores entre as melhores práticas de proteção do património subaquático

A UNESCO distingui mais quatro projetos, de outros países. Os projetos foram designados por recomendação do conselho consultivo e técnico da organização das nações unidas para a educação, ciência e cultura, como boas práticas que promovem o acesso público responsável ao património cultural subaquático.
Comentários