Tribunal de Justiça da UE favorável ao levantamento do sigilo bancário (em certos casos)

O Tribunal de Justiça da União Europeia força levantamento do sigilo bancário se em causa estiverem dados importantes para a defesa jurídica de um cidadão europeu.

O Tribunal de Justiça da União Europeia esclareceu que, em certos casos relacionados com os direitos dos cidadãos europeus à sua defesa, as autoridades nacionais de cada Estado-membro podem decidir levantar o sigilo bancário.

A decisão prende-se com dois casos. No primeiro, um cidadão luxemburguês foi forçado a despedir-se de uma autoridade de supervisão financeira por ter alegadamente ligações ao caso de Bernie Madoff, condenado por fraude. No segundo caso, um italiano pretendia ter acesso a informação sobre a falência de uma instituição de crédito para mover-lhe um processar com o qual pretendia o reembolso ou indemnização superior ao que lhe tinha sido inicialmente atribuído.

O Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu, relativamente ao primeiro caso, que “deve ser procurado um equilíbrio entre os interesses opostos conforme as circunstâncias de cada caso”, podendo o sigilo ser levantado se for decidido que os direitos dos cidadãos são mais importantes que a manutenção da obrigação do sigilo.

Em comunicado oficial, o tribunal afirma que “as autoridades competentes e os tribunais devem sopesar os interesses do candidato em ter acesso à informação em causa e os interesses ligados à manutenção da confidencialidade da informação que se relaciona com a obrigação do sigilo profissional, antes de divulgar cada parte da informação confidencial que foi pedida”.

A polémica arrasta-se um pouco por todos os países da União Europeia – nomeadamente na sequência dos distúrbios por que passou o sistema financeiro na sequência da crise dos últimos anos. A questão coloca-se ainda com maior insistência nos Estados-membros em os bancos passaram por grandes dificuldades. Portugal, Espanha e Itália estão dentro desse perímetro.

Recorde-se que, no caso português, e apesar de todas as vontades políticas, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, já disse que a informação sobre os maiores devedores dos bancos não pode ser pública, e manifestou-se contrário a qualquer alteração da lei.

Ler mais
Recomendadas

Mesquita Machado e Salvador vão a julgamento no caso do estacionamento em Braga

Tribunal de Braga decidiu hoje levar a julgamento o ex-presidente da Câmara local Mesquita Machado e o dono da empresa Britalar, António Salvador, no processo da concessão do estacionamento pago à superfície naquela cidade.

“Apertão? Não, Não. Temos de lá ir falar todos”. A reunião onde tudo começou

Episódio foi relatado ao “Jornal Económico” por fonte oficial do Sporting a 18 de maio, três dias após os ataques na Academia do SCP em Alcochete. Desejo da Juve Leo em dar um “apertão” aos jogadores foi manifestado num encontro com Bruno de Carvalho, a 7 de abril, depois da derrota da equipa em Madrid.

Arlindo de Carvalho e Oliveira e Costa condenados por burla e fraude fiscal no processo BPN

Arlindo de Carvalho foi condenado a seis anos de prisão por burla qualificada e fraude fiscal e Oliveira e Costa a 12 anos de prisão por dois crimes de burla.
Comentários