Trump cancela viagem a Davos e culpa “intransigência” dos democratas face ao muro com o México

Trump cancelou a ida a Davos, por causa da “intransigência” dos democratas. A administração federal dos EUA continua paralisada, uma vez que a oposição a Trump não viabiliza a construção do muro. Em resposta, Trump empreendeu uma ‘jogada de marketing’.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que não participará no Fórum Económico Mundial de Davos, que decorre de 21 a 25 de janeiro na Suíça, se continuar a paralisação parcial (shutdown) da administração federal, que já dura há vinte dias. O anúncio surgiu horas antes de ter iniciado uma campanha de propaganda apelando à necessidade de construção do muro na fronteira com o México, que é o principal motivo para o shutdown.

“Por causa da intransigência dos democratas sobre a [norma de] Segurnça Fronteiriça e pela grande importância da segurança da nossa nação, cancelo respeitosamente a minha importante viagem até ao Fórum Económico Mundial, em Davos, Suiça”, escreveu Trump na sua conta de Twitter.

O shutdown do governo já 380 mil funcionários federais sem emprego e 420 mil a trabalhar sem remuneração. Trump admitiu na quinta-feira mais uma vez a possibilidade de declarar emergência nacional para ativar poderes extraordinários se não conseguir chegar a acordo com os democratas.

Se a atual paralisação continuar até domingo será a maior de sempre na história da política norte-ameriana. Até agora, o shutdown mais longo da história foi de 21 dias, entre o final de 1995 e início de 1996, durante a presidência de Bill Clinton.

A ausência de Donald Trump poderá ser notada em, Davos, uma vez que o Fórum Económico Mundial reúne os principais líderes políticos e empresariais do mundo. E é em Davos que muito das agendas para diversos setores são sondadas.

Em 2018, a ida de Trump a Davos provocou bastante burburinho mediárico, sobretudo, pelos ataques do presidente norte-americano aos jornalistas; pelo discurso onde abordou o conceito America First.

Shutdown ‘obriga’ a propaganda
A paralisação parcial do governo norte-americano dura há já vinte dias e, com o impasse nas negociações orçamentais com os democratas sem fim à vista, ao cancelamento da ida de Trump a Davos acresce a campanha de propaganda iniciada, ontem, pelo presidente norte-americano. Numa visita à fronteira com México, no Texas, Doanld Trump apelou à necessidade da construção do muro e culpou, novamente, a oposição pelo shutdown, uma vez que estes não viabilizam a sua construção por via de uma nova norma sobre segurança fronteiriça. No Texas, o presidente norte-americano voltou a ameaçar recorrer à declaração do estado de emergência nacional.

Ao deixar a Casa Branca para a localidade de McAllen, no Estado do Texas, Trump disse aos jornalistas que preferia trabalhar com o Congresso num acordo para acabar com a paralisação, do que ter que recorrer ao poder presidencial para contornar o Congresso se não houver acordo. “Eu tenho o direito absoluto de declarar uma emergência nacional “, afirmou Trump. “Ainda não o fiz, mas posso fazê-lo”, acrescentou.

Em McAllen, o presidente dos EUA participou numa mesa redonda com funcionários públicos e cidadãos daquela região para discutir a necessidade de um muro na fronteira com o México. Sem fornecer provas factuais, Trump afirmou que um muro na fronteira reduziria o crime.  Mais tarde, noutra localidade, em Mission, acompanhou as autoridade numa ação de patrulhamento junto da fronteira.

Tudo foi partilhado no principal meio de comunicação direta do presidente norte-americano, a sua conta pessoal de Twitter.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Nova-iorquinos consideram ‘shutdown’ “ataque de raiva” de Donald Trump

Alguns nova-iorquinos classificam a ideia de construir o muro na fronteira com o México de “cruel”, “inútil” ou “essencial” e consideram que a paralisação parcial do Governo resulta de um “ataque de raiva” do presidente dos EUA.

“Alexandria Ocasio-Cortez goes to Washington”

Nunca foi tão claro como agora qual o caminho a seguir. Resta escolher a ação e rejeitar o comodismo, a apatia e o populismo fácil que têm sido as maiores ameaças à democracia.

Kamala Harris: senadora democrata quer defrontar Trump e chegar à Casa Branca

A senadora da Califórnia é considerada há muito uma das apostas mais promissoras dos democratas norte-americanos contra a recandidatura de Donald Trump. Mas ainda há muito caminho pela frente.

“Uma perda total de tempo”. Trump abandona reunião com democratas para acabar com shutdown

“Novamente, vimos uma birra porque ele não conseguiu o que queria”, acusou o líder dos democratas no Senado, Chuck Schumer, na sua declaração aos jornalistas à porta da Casa Branca.

Bruxelas acusa administração Trump de despromover embaixador sem avisar

Bruxelas não foi notificado de qualquer alteração ao seu estatuto em Washington, mas duas fontes comunitárias disseram que é improvável que, mesmo que a decisão se confirme, haja uma retaliação por parte da UE em relação a diplomatas norte-americanos.
Recomendadas

Confiança dos empresários alemães aumenta pela primeira vez em seis meses

O ifo Business Climate Index subiu em março, de 98,7 para 99,6 pontos. Este é o primeiro aumento após seis quedas sucessivas. As empresas estão um pouco mais satisfeitas com a sua atual situação de negócios, e estão decididamente mais otimistas em relação aos negócios nos próximos seis meses.

Steve Bannon e as eleições europeias: “Quanto mais participação houver, maior será a vitória do movimento populista”

Antigo conselheiro de Trum, ideólogo da nova extrema-direita e mentor de Bolsonaro e dos espanhóis do Vox, Bannon considera possível que 30% do próximo parlamento europeu seja populista.

CDS quer Governo a reforçar vagas em creches e lares para portugueses que regressem da Venezuela

O CDS-PP quer que Governo a apoie e pague regresso de portugueses na Venezuela. Custear despesas com as viagens, acelerar a tramitação dos processos de nacionalidade, eventuais benefícios fiscais e reforço de apoios sociais e em medicamentos são algumas medidas que constam do plano de apoios dos centristas a que juntam agora a disponibilização de vagas em creches ou lares de idosos, com contratualização com a Segurança Social.
Comentários