“Trump é como um tio maluco que tweeta na cave”, diz ex-conselheiro do presidente dos EUA

Sobre os comentários de Trump em relação a uma possível eleição fraudulenta, Bolton afirma que “se ele tem evidências para apresentar, isso é inteiramente apropriado”.

John Bolton, ex-conselheiro de segurança nacional da administração Trump, concedeu uma entrevista à “CNN” onde faz várias afirmações polémicas sobre o atual presidente dos Estados Unidos, deixando o aviso que uma vez que Trump deixe a presidência, continuará a tentar aumentar o seu espectro de influência, ainda que a sua capacidade de intimidação diminua significativamente.

Bolton caracteriza Trump como um “tio maluco que tweeta na cave”, sublinhando que mesmo depois de ter sido derrotado nas presidenciais “não ficará quieto”. Sobre os comentários de Trump em relação a uma possível eleição fraudulenta, Bolton afirma que “se ele tem evidências para apresentar, isso é inteiramente apropriado”.

Bolton teve a oportunidade de observar de perto, durante 17 meses, as metodologias de trabalho de Donald Trump. O tempo ao lado de Trump, permitiu a Bolton escrever um livro onde descreve em pormenor todos os eventos em que esteve presente ao lado do ainda presidente dos EUA, intitulado ‘The Room Where it Happened’.

Em relação às reações de Trump à derrota eleitoral, Bolton afirma que ficou surpreendido, mas sublinha que “o problema é inventar coisas e questionar toda a integridade do sistema eleitoral só porque está a perder, o que é muito semelhante ao que ele [Trump] está a fazer”.

Sobre a derrota republicana nas presidências, Bolton deixa o aviso “acho que é muito importante para o Partido Republicano, assim que ficar resolvida a questão eleitoral, iniciar uma conversa muito séria sobre que tipo de partido esperamos ter após Trump”.

Sobre a possibilidade de Donald Trump voltar a concorrer nas presidenciais de 2024, Bolton afirma que “é possível, mas improvável – ele terá 78 anos, embora, é claro, Biden terá 78 quando tomar posse”.

Recomendadas

Trump pressionou investigadora a encontrar “a resposta certa” relativamente a suposta fraude eleitoral no estado da Geórgia

Numa chamada telefónica efetuada em dezembro, mas agora divulgada pelo Wall Street Journal, Trump pode ser ouvido a garantir à principal investigadora do gabinete da secretaria de Estado da Geórgia que esta seria “elogiada” caso encontrasse “a resposta certa” que provasse as suas insinuações de fraude. A chamada será agora analisada em duas investigações separadas, uma delas de natureza criminal.

Democratas dizem que ‘impeachment’ de Trump serve para garantir que “nenhum futuro presidente” volte a apelar à violência

Recorrendo a relatos policiais, de funcionários do Capitólio e a notícias de imprensa estrangeira, os democratas alegaam que Donald Trump foi o responsável pela invasão do Capitólio, tendo provocado danos políticos e sociais de longo prazo.

PremiumJoe Biden: Prioridades para lidar com a herança caótica dos Estados Unidos

Depois do veemente apelo à unidade face à grande perturbação que não acabou por Donald Trump sair da Casa Branca, o novo presidente tem tremendos desafios pela frente, tanto interna como externamente. Nenhum é de solução rápida e é por isso que Joe Biden tem de contar com todos – daí o apelo deixado no discurso de tomada de posse. A convergência entre democratas e republicanos é uma condição prévia, pelo menos no que diz respeito a alguns dossiês.
Comentários