Trump lança sério aviso à Coreia do Norte: “Paciência estratégica terminou”

Presidente norte-americano avançou o fim da era da paciência com a Coreia do Norte: “programas nuclear balístico desse regime exigem uma resposta determinada”.

Ao lado do novo presidente sul-coreano, Moon Jae-In, Donald Trump declarou, esta sexta-feira, nos jardins da Casa Branca, que “a paciência estratégica com o regime norte-coreano terminou. Honestamente, acabou-se a paciência”, noticia a Lusa.

“O nosso objetivo é a paz, a segurança e a estabilidade na região. Mas os EUA defender-se-ão sempre e nós defenderemos sempre os nossos aliados”, frisou, em tom de advertimento, acrescentando que “juntos, enfrentamos a ameaça do regime perigoso e brutal da Coreia do Norte. Os programas nuclear balístico desse regime exigem uma resposta determinada”.

Donald Trump adiantou, ainda, a garantia do país colaborar estreitamente com a Coreia do Sul, o Japão e outros parceiros, a nível mundial, num “conjunto de medidas diplomáticas, económicas e de segurança”, solicitando às “outras potências regionais e todas as nações responsáveis” a união aos esforços norte-americanos, de forma a aplicar as sanções ao regime da Coreia do Norte.

Na quinta-feira passada, foi anunciado, pela primeira vez, punições contra o banco chinês de Dandong, acusado de facilitar transações em prol de empresas comprometidas no desenvolvimento de mísseis balísticos.

Recomendadas

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.

Turismo: receitas subiram 13% até julho para 8,9 mil milhões de euros

Até julho, as exportações da atividade turística ascenderam a 8.913 milhões de euros, mais 12,86% do que nos primeiros sete meses de 2017, segundo os dados da Balança de Pagamentos hoje divulgados pelo banco central.

Novo código dos contratos públicos vai “destruir engenharia portuguesa”, diz associação do setor

Em causa está “o preço mais baixo como principal (ou mesmo único) critério de avaliação de propostas” para serviços de engenharia de obras públicas previsto no novo Código que entrou em vigor em janeiro, diz a Associação Portuguesa de Projetistas e Consultores.
Comentários