Tsipras exige voto de confiança “imediato” no seu Governo após demissão de ministro

O primeiro-ministro Alexis Tspiras pediu ao parlamento grego que proceda “imediatamente” a um voto de confiança no seu Governo, após a renúncia de ministro da Defesa, opositor do novo nome da Macedónia que os deputados gregos devem votar em breve.

Yves Herman / Reuters

“Renovaremos imediatamente a confiança no nosso Governo (por votação) pelo parlamento, a fim de resolver as principais questões do nosso país”, disse o primeiro-ministro, depois de aceitar a renúncia de Panos Kammenos, principal aliado da coligação governamental.

Kammenos, líder do pequeno partido soberanista ANEL, anunciou hoje renunciar ao cargo, antes da próxima votação parlamentar sobre o novo nome da Macedónia, ao qual se opõe.

“A questão da Macedónia não me permite não sacrificar a minha posição como” ministro, afirmou, anunciando a “retirada do Governo” de membros do seu partido, numa declaração em direto para as câmaras.
“Agradeci ao primeiro-ministro pela nossa cooperação e expliquei que, devido a essa questão nacional, não poderíamos continuar”, acrescentou.

Na sexta-feira, os deputados macedónios aceitaram rebatizar o país como “República da Macedónia do Norte”, numa votação histórica obtida pela maioria de dois terços e que abre caminho à resolução de um litígio com a Grécia.
Mas a mudança de nome só entra em vigor depois de os deputados gregos ratificarem o acordo assinado no verão pelos primeiros-ministros Zoran Zaev, da Macedónia, e Alexis Tsipras, da Grécia.

A votação em Atenas deve acontecer “dentro de dez dias”, segundo Alexis Tsipras. Tsipras e o seu homólogo macedónio, Zoran Zaev, assinaram em junho o acordo de Prespa, que prevê a alteração da designação do país (Macedónia, ou Antiga república jugoslava da Macedónia, Fyrom), para “República da Macedónia do Norte”, mas a sua concretização ficou dependente da sua aprovação pelos parlamentos de Skopje e Atenas.

A alteração destina-se a terminar com um velho litígio de quase três décadas entre os dois vizinhos, e terminar com o veto grego à adesão da Macedónia à NATO e ao processo de aproximação com a União Europeia (UE).
Atenas exigia a mudança de nome por considerar que Macedónia faz parte do seu património histórico e só podia ser usado pela sua província com o mesmo nome.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: UE concorda com extensão mas impõe 22 de maio como data-limite

“O Conselho Europeu concorda com uma extensão até 22 de maio de 2019, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns na próxima semana”, lê-se no comunicado.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

Extrema-direita holandesa ganha eleições provinciais e assusta liberais

O primeiro-ministro liberal Mark Rutte pode ter os dias contados à frente do governo. A extrema-direita, herdeira de Geert Wilders, estará em breve à frente do Senado. Mais um sinal de alerta-vermelho para a União Europeia.
Comentários