Tubarão anequim ameaçado de extinção, alertam investigadores

Caso a pesca desta espécie não seja reduzida a zero já no próximo ano, não recuperará, indicam os especialistas. Portugal, a par de Marrocos e Espanha, é dos maiores pescadores de tubarão anequim.

Ler mais

Investigadores do Instituto Politécnico de Leiria, Universidade de Lisboa e Associação Portuguesa para o Estudo e Conservação de Elasmobrânquios recolheram e analisaram a última década de descargas de tubarões e raias em Portugal, concluindo que o tubarão anequim poderá desaparecer dos nossos mares.

Portugal é a par de Marrocos e Espanha um dos maiores pescadores de tubarão anequim, que é das espécies analisadas a que sofreu a diminuição mais drástica em lota, em Portugal. “Caso a pesca desta espécie não seja reduzida a zero já no próximo ano, não recuperará”, afirmam os especialistas.

O tubarão anequim é uma das espécies mais procuradas em Portugal, pela sua carne, atingindo em lota valores semelhantes aos do espadarte. Contudo, e à semelhança de outras nações que pescam esta espécie, o nosso país continua sem impor quaisquer quotas ou tamanhos mínimos de captura.

“O que recomendamos é, a par de cientistas associados à International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas (ICCAT), a proibição total e imediata de capturas de anequins no Atlântico Norte”, explica Luís Alves, investigador no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria.

Segundo este organismo internacional, a população de anequins do Atlântico Norte terá cerca de 50% de hipóteses de apresentar sinais de recuperação em 2040, caso as capturas sejam reduzidas para zero, já a partir de 2018.

 

Recomendadas

Incêndios: Vinte concelhos de sete distritos em risco máximo

Vinte concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Leiria, Guarda, Bragança e Faro apresentam quinta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Sismo de 2,7 na escala de Richter sentido na Terceira

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, o ‘abanão’ foi “sentido em Angra do Heroísmo” e o CIVISA “continua a acompanhar o evoluir da situação, emitindo novos comunicados caso necessário”.
Comentários