Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

João Fernandes lamentou a decisão adotada pelos municípios, expressou a sua discordância quanto à aplicação da taxa turística e questionou o “‘timing’” e “modelo escolhidos”, posição na qual o presidente da RTA disse ser acompanhado pelas “duas associações mais representativas do alojamento na região”, a Associação dos Hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve (AHETA) e a Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AIHSA).

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aprovou na sexta-feira as bases para a introdução de uma taxa turística, de 1,5 euros por dormida (crianças até 12 anos não pagam), entre março e outubro, estimando uma receita anual de 20 milhões de euros, embora a medida ainda tenha de ser aprovada pela Assembleia Municipal de cada um dos 16 municípios da região.

“Trata-se de uma decisão errada, que surge em contraciclo com a procura turística e que pode gerar perda de competitividade para o destino Algarve”, advertiu o presidente da entidade regional de turismo algarvia em comunicado.

O presidente da RTA considerou que a aplicação desta taxa “não atende à realidade da concorrência”, porque esta é apenas cobrada nas Ilhas Baleares e na Catalunha, em Espanha, e na Tunísia, e assiste-se atualmente a “uma forte retoma de destinos concorrentes do Algarve, tais como a Grécia, a Turquia, a Tunísia e o Egito”, que “não estão sujeitos às regras da concorrência europeia e apresentam preços muito agressivos”.

A esta retoma de mercados concorrentes, sobretudo do norte de África, junta-se a saída do Reino Unido da União Europeia (“Brexit”), “processo que já fez cair o poder de compra dos britânicos devido à desvalorização da libra face ao euro e que afeta o principal mercado emissor de turistas para o Algarve”, frisou João Fernandes.

O responsável do Turismo do Algarve considerou que é também necessário que a região acabe de “ajustar-se à realidade criada pela falência de companhias aéreas como a Monarch, a Air Berlin e a Niki Airlines”, que operavam para o aeroporto de Faro a partir de mercados emissores de turistas, como o Reino Unido e a Alemanha, exemplificou.

João Fernandes acha “igualmente estranho” que a aplicação da taxa não seja feita a partir de uma data concreta em todos os municípios, o que poderá “gerar desigualdades dentro da região e enfraquecer o destino como um todo”, alertou.

“Por último, a taxa turística não atende à diferença entre a realidade de um destino cidade, como Lisboa e Porto, com estadias curtas de um ou dois indivíduos, por comparação com o Algarve, destino familiar e com estadias prolongadas, para as quais a aplicação de uma taxa com estas características é mais penalizadora”, distinguiu ainda o presidente da RTA.

Ler mais
Relacionadas

Turismo: receitas subiram 13% até julho para 8,9 mil milhões de euros

Até julho, as exportações da atividade turística ascenderam a 8.913 milhões de euros, mais 12,86% do que nos primeiros sete meses de 2017, segundo os dados da Balança de Pagamentos hoje divulgados pelo banco central.
Recomendadas

Bruxelas quer esclarecimentos de Centeno sobre limite de despesa no OE2019

Comissão Europeia remeteu carta ao Governo português a solicitar esclarecimentos.

Bilhetes para o futebol estão mais caros em Itália. E a culpa é de um português

A claque da Juventus já apresentou várias queixas, e através de um comunicado, explicaram que vão aos jogos mas com desagrado, já que ver a ‘Vecchia Signora’ fora de casa custa 100 euros.
AHP - Raul martins

AHP defende a sua independência e reforça confiança em Cristina Siza Vieira

A AHP continua, assim, a contar “com as reconhecidas qualidades de competência, empenho, isenção e frontalidade” da sua presidente da direção executiva, Cristina Siza Vieira.
Comentários