Turquia: Erdogan desdramatiza colapso da moeda turca

O presidente turco rejeitou qualquer preocupação com a lira, que está em queda há várias semanas consecutivas, depois de a economia abrandar. Um novo plano de relançamento económico será hoje divulgado.

Ancara e Washington têm estado em desacordo numa série de questões, não apenas em termos de política internacional – a questão síria é a que mais divide os dois países da NATO – mas no que tem a ver com temas de menor dimensão. Há algumas semanas, quando o presidente turco, Recep Erdogan, conseguiu convencer a Casa Branca a deixar de apoiar as milícias curdas instaladas no norte da Síria, parecia que as relações entre ambos entrariam numa rota de convergência.

Mas não nada disso que sucedeu – a paridade entre a lira turca e o dólar continua a degradar-se todos os dias. Esta sexta-feira, depois de uma delegação turca ter regressado de Washington sem ter conseguido nenhum avanço nos vários dossiês que distanciam as duas capitais, a lira bateu novo recorde, ao cair 6 pontos contra o dólar.

No dia anterior, Erdogan tentava publicamente desdramatizar a evolução negativa dos mercados. Falando na província de Rize, no Mar Negro, o presidente desconsiderou as preocupações com a moeda e afirmou que o problema era consequência de uma campanhas contra a Turquia: “há várias campanhas em curso contra nós. Não lhes deem atenção”, disse.

O descalabro da lira tem sido alimentado pelas preocupações dos investidores sobre a política monetária de Erdogan. Inimigo declarado das taxas de juros, o presidente, que acaba de reforçar em muito os seus atributos constitucionais, quer que os bancos concedam crédito barato para alimentar o crescimento através do consumo e do investimento, mas os investidores temem que a economia esteja superaquecida e sem capacidade de resposta a esse estímulo, segundo analistas citados pela agência Reuters.

Outra preocupação dos investidores é a aparente incapacidade do governo em conter a persistente inflação de dois dígitos – outro fator que tem levado Erdogan a pedir taxas mais baixas ao banco central.

Na semana passada, Erdogan pediu aos turcos que convertessem moeda forte e ouro em liras, a fim de sustentar a queda da moeda com uma “postura nacional“, uma abordagem heterodoxa que só serviu para assustar ainda mais os investidores, preocupados com a trajetória autoritária da Turquia sob Erdogan. A moeda turca perdeu mais de um terço do seu valor face ao dólar só durante este ano.

Entretanto, os investidores esperam atentamente aquilo que o ministro das Finanças da Turquia, Berat Albayrak, vai divulgar esta sexta-feira naquilo que está anunciado como sendo o mais recente plano de relançamento da economia turca.

Ler mais
Relacionadas

Turquia prepara “novo modelo económico” para conter desvalorização da lira

A mudança de direção no modelo económico, que deverá ser anunciada esta sexta-feira, surge como resposta à imparável queda da lira, que atingiu recentemente mínimos históricos.

Turquia poderá pedir resgate ao FMI para suster inflação e colapso da lira turca

Em 2018, a lira turca já caiu 28% em relação ao dólar americano. Inflação de cerca de 16% poderá levar a Turquia a pedir um resgate ao Fundo Monetário Internacional.
Recomendadas

Portugal e Guiné Equatorial assinam protocolo para ensino da língua portuguesa

O Instituto Camões e a Universidade Nacional da Guiné Equatorial assinaram um protocolo que marca o início da cooperação em matéria de promoção da língua portuguesa por parte de entidades portugueses naquele país da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Fundação de Donald Trump chega a acordo de dissolução com procuradoria-geral da Nova Iorque

A procuradora-geral de Nova Iorque processou Trump e seus filhos Donald Jr., Eric e Ivanka a 14 de junho, depois de uma investigação de 21 meses em que ela disse ter descoberto uma “extensa coordenação política ilegal” entre a fundação e a campanha de Trump. O processo permanece pendente.

Reino Unido freta navios e coloca 3.500 militares em alerta para eventual “Brexit” caótico

O Governo do Reino Unido vai investir cerca de 4 mil milhões de libras em preparativos, incluindo a fretagem de navios para transporte de alimentos e medicamentos. Nos próximos dias serão remetidos milhares de “e-mails” com informações sobre o processo.
Comentários