Turquia insiste com Arábia Saudita para cooperar na investigação do desaparecimento de Jamal Khashoggi

As autoridades turcas afirmam que os sauditas responderam positivamente ao pedido turco para fazer buscas no consulado, onde o jornalista foi visto pela última vez.

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco pediu hoje ao governo da Arábia Saudita que coopere na investigação do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi e que autorize os investigadores a entrar no consulado saudita em Istambul.

“Ainda não vimos cooperação para que o inquérito decorra com facilidade e tudo seja esclarecido. É isso que queremos ver”, disse o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, à agência turca Anadolu.

As autoridades turcas afirmam que os sauditas responderam positivamente ao pedido turco para fazer buscas no consulado, onde o jornalista foi visto pela última vez, mas que as buscas ainda não foram feitas porque as duas partes têm divergências quanto a aspetos específicos.

Segundo o diário turco Sabah, as autoridades sauditas querem que as buscas sejam apenas visuais, enquanto os turcos querem ter a possibilidade de usar substâncias químicas que poderiam revelar vestígios de sangue.

O ministro turco, que falava à margem de uma visita a Londres, instou a Arábia Saudita a deixar “procuradores e peritos entrar no consulado”.

“Onde é que ele desapareceu? Ali, no consulado”, frisou o ministro, acrescentando que há conversações em curso para tentar chegar a um acordo.

Jamal Khashoggi, um jornalista crítico do príncipe herdeiro saudita Mohamed ben Salman que escrevia nomeadamente para o Washington Post, entrou a 02 de outubro no consulado saudita em Istambul, para tratar de assuntos administrativos, e nunca mais foi visto.

Quatro dias depois, fontes da investigação citadas pela imprensa turca afirmaram que o jornalista foi morto no consulado.

Ler mais
Relacionadas

Desparecimento de Jamal Khashoggi: Trump promete “castigo severo” se a Arábia Saudita estiver envolvida

Donald Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

EUA pedem investigação transparente sobre desaparecimento de jornalista saudita

Os Estados Unidos pediram uma investigação “exaustiva e transparente” sobre o desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi, depois de a Turquia ter pressionado a Arábia Saudita a esclarecer o caso.
Recomendadas

Só 15% dos cargos de liderança nas cotadas de Espanha são ocupados por mulheres

O número revela ser mais baixo que a quantidade de mulheres em cargos de conselhos de administração das mesmas empresas, que, no ano passado, registava 18,9%.

Respostas Rápidas: Bolsonaro usou o Whatsapp para ganhar as eleições?

Mais uma vez, os novos suportes das redes sociais voltam a estar em foco, a propósito de uma eventual utilização do Whatsapp por empresas ligadas à candidatura de Jair Bolsonaro, o candidato populista que ficou à frente na primeira volta das eleições brasileiras.

Presidente da Venezuela inaugura primeira fábrica de mineral Coltan

“Hoje inauguramos, no coração do Arco Mineiro do Orinoco, a primeira fábrica de concentração de Coltan, que gerará quase 7,8 milhões de euros diários de ingressos à nação”, disse.
Comentários