‘Uber da China’ obriga motoristas a reconhecimento facial

O reconhecimento facial será obrigatório para cada viagem no Didi, numa decisão tomada depois de um condutor ter alegadamente assassinado uma passageira de 21 anos, em Zhengzhou, no centro da China.

Ler mais

A aplicação de transporte privado Didi, o Uber chinês, vai obrigar os motoristas a submeterem-se diariamente ao reconhecimento facial, anunciou hoje a empresa.

O reconhecimento facial será obrigatório para cada viagem, numa decisão tomada depois de um condutor ter alegadamente assassinado uma passageira de 21 anos, em Zhengzhou, no centro da China.

Na madrugada de 06 de maio, uma hospedeira de bordo chinesa de 21 anos, identificada como Li, foi assassinada, durante uma viagem num carro privado, solicitado através da aplicação Didi.

O corpo seminu da jovem foi encontrado passado dois dias, com sinais de abuso sexual.

A polícia encontrou mais tarde um outro corpo, presumivelmente o do motorista, Liu Zhenhua, suspeito de matar Li antes de abandonar o automóvel e de se atirar a um rio.

O suspeito terá acedido à conta do Didi do pai para atuar como motorista.

Já em maio de 2016, uma mulher de 24 anos tinha sido assassinada por um motorista registado no Didi.

Neste caso, o homem utilizou a carta de condução e bilhete de identidade para se registar na plataforma, mas utilizava uma matrícula falsa no automóvel.

Na mesma semana, os jornais chineses informaram que quatro adolescentes chinesas denunciaram um motorista do Didi à polícia por se masturbar enquanto conduzia

Relacionadas

Motoristas da Uber, Cabify e Taxify não têm de pagar multas, diz tribunal

Na ausência de legislação, a opção deve ser a de não aplicação de coimas, segundo o juíz.

Assembleia da República discute novas medidas para renovação do setor do táxi

As propostas incluem a alteração das tarifas, melhoria das condições de trabalho, revisão das taxas e licenças e renovação das frotas.
Recomendadas

Ford condenada a pagar 611 mil euros por vender carros com defeito na Tailândia

A maioria dos queixosos deste processo coletivo vai receber pagamentos entre os 6,79 euros e os 679 euros, dependendo do número de vezes e do tempo que os carros passaram nas oficinas de automóveis a serem reparados.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.
Comentários