UGT ao Governo: “Ouçam os sindicatos para que se encontre uma solução”

Em vésperas da greve nacional de professores, marcada para 15 de novembro, o secretário-geral Carlos Silva, insta o governo a retomar o diálogo na educação.

O secretário-geral da União Geral de Trabalhadores (UGT), na qual está filiada a Frente Nacional de Educação (FNE), um dos principais estruturas do setor lança, em vídeo, o repto ao PM, António Costa e ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues: “Ouçam os sindicatos sejam os da FNE sejam os do restante  movimento sindical para que se encontre uma solução e se evite um conflito que traga para a rua milhares de pessoas insatisfeitas porque têm razão”.

Na mensagem ao Governo, “que criou uma nova esperança e um novo horizonte de confiança”, Carlos Silva apela à retoma do diálogo social na educação: “É necessário sentarmo-nos à mesa, estas são as virtudes do diálogo social (… ) estamos de acordo em que é preciso sentarmos à mesa  discutirmos (com o governo) de que forma e como  encontrar uma solução.”

Os professores vão estar em greve no próximo dia 15 de novembro “pelo descongelamento justo das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes”.

João Dias da Silva, secretário-geral da FNE, por seu turno, apela, à Assembleia da República para que corrija as injustiças nas carreiras dos professores portugueses.

”É preciso que o OE 2018 diga que o tempo prestado pelos educadores e professores portugueses durante o tempo de congelamento vai servir para reposicionar educadores e professores no ponto de carreira a que têm direito em função desse tempo de serviço que prestaram”, afirma.

Recomendadas
Governo admite “problema” nas novas pensões
“Esses são a nossa prioridade e penso que, até ao final do ano, todos os casos de longa duração serão resolvidos”, explicou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Associações contra a venda da Herdade da Comporta por razões ambientais
A Zero e a Transparência e Integridade descrevem cinco razões que obstam à venda da Herdade na Comporta. Entre vícios legais, decisões inexplicáveis e impactos ambientais, as duas associações apelam que os processos que se venham a desenvolver tenham o mínimo impacto ecológico possível.
Maioria dos lisboetas satisfeitos com as escolas da capital
De acordo com os dados mais recentes da União Europeia, referentes a 2015, os residentes em Dublin e Liubliana são os mais satisfeitos com os estabelecimentos de ensino.
Comentários