UGT: “No próximo ano as prioridades devem passar pela melhoria generalizada dos salários e pensões”

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, assinou um artigo de opinião no Jornal Económico intitulado “Do reforço da dimensão social das políticas”.

Aproveitando os bons resultados que Portugal tem vindo a registar em termos económicos, orçamentais e de emprego, 2018 tem de ser o ano de aprofundamento do caminho que vem sendo seguido, reforçando a dimensão social das políticas.

Para o próximo ano as prioridades devem passar pela melhoria generalizada dos salários e das pensões, pela aposta inequívoca na criação de mais empregos – mas empregos de qualidade, essenciais para que os portugueses não se vejam obrigados a abandonar o País – e no reforço da qualificação dos trabalhadores, pela implementação de medidas que apoiem a dinamização da negociação coletiva de modo a que esta possa voltar a desempenhar plenamente o seu papel na regulação e na melhoria das condições de trabalho e por uma preocupação permanente e transversal na melhoria proteção social e na redução da pobreza.

O combate às desigualdades e o reforço da coesão social e territorial – tendo em particular atenção os territórios em que as assimetrias são mais são sentidas e que durante 2017 foram lembrados pelas piores razões – têm efetivamente de estar no centro das políticas no nosso País.

Em 2018, todos deverão revelar verdadeira disponibilidade e assumir as suas responsabilidades no diálogo e na construção de soluções e compromissos para um Portugal com mais crescimento económico mas também mais justo e mais coeso.

Relacionadas

Salário mínimo: empresários rejeitam “leilão de valores”

Apesar de estar prevista nova reunião de concertação social até ao fim do ano, acordo com patrões e sindicatos será difícil de alcançar.

Em dia de Concertação Social, saiba o que patrões e sindicatos vão pedir ao Governo

Governo e parceiros reúnem-se em concertação social, com a discussão sobre atualização do salário mínimo em 2018 no topo da agenda. A proposta do Executivo é de uma subida de 23 euros para 580, mas os sindicatos pedem mais. Do lado das empresas, o pedido é de contrapartidas. Veja aqui o que cada um defende.
Recomendadas

PremiumEmília Vieira: “Ricos ficam mais ricos porque preferem ações em vez de imobiliário”

A Casa de Investimentos vai lançar o “Livro do Investimento em Valor”, em parceria com o Jornal Económico. Em entrevista, a CEO Emília Vieira explica esta aposta.

Premium“Não vejo o investimento como risco na execução do Orçamento do Estado”

Mourinho Félix afirma que o Orçamento do Estado para 2019 tem medidas que garantem um crescimento robusto do investimento. E defende que o fim do PEC e do IVA alfandegário vão libertar tesouraria para as empresas investirem mais.

PremiumExportações de vinhos deverão exceder 800 milhões de euros

Vendas de vinho nacional no estrangeiro cresceram 6% até junho, tendo Portugal obtido as maiores taxas de crescimento em diversos mercados.
Comentários