Um em cada três deputados tem cargos em IPSS e associações sem fins lucrativos

Caso se tenham em conta as funções sociais em empresas a percentagem aumenta para 41,3%.

Um em cada três deputados tem cargos sociais em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) ou outro tipo de associações sem fins lucrativos, revela o “Jornal de Negócios” na edição desta sexta-feira.

Através da consulta dos registos de interesse no site do Parlamento, o diário de economia percebeu que 32% de parlamentares desempenham cargos sociais em instituições sem fins lucrativos, excetuando atividades em instituições privadas.

Membros da mesa da assembleia-geral, do conselho fiscal, vogais da direção ou presidentes, estão entre as funções que os deputados portugueses desemprenham nestas entidades. Porém, caso se tenham em conta as funções sociais em empresas a percentagem aumenta para 41,3%.

Uma reportagem divulgada em 9 de dezembro pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação, Paula Brito e Costa, como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

Entre as irregularidades apontadas, conta-se a compra de vestidos de alta costura, de bens alimentares caros e o pagamento de deslocações, apesar de ter um carro de alta gama pago pela Raríssimas. Além disso Paula Brito e Costa terá também beneficiado de um salário de três mil euros, de 1.300 euros em ajudas de custos e de um Plano Poupança Reforma que rondava os 800 euros mensais.

O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social disse na segunda-feira ter “perfeita consciência” de que o facto de ter apoiado como cidadão a associação “Raríssimas” o colocou “numa posição de particular sensibilidade”.

Com Lusa

Ler mais
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários