Um quarto das casas vendidas em Portugal foram compradas por estrangeiros

“Os ativos imobiliários valorizaram o país”, afirma ao DN o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, Luís Lima.

No ano passado, um quarto das casas vendidas em Portugal foram compradas por estrangeiros, disse ao “Diário de Notícias/Dinheiro Vivo” o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Luís Lima adiantou ao matutino que “os estrangeiros já valem 25% do mercado”, sendo que os franceses e os brasileiros são quem mais adquire um imóvel no país. O responsável da APEMIP acredita que 2018 deverá assistir-se a um novo crescimento no setor, um vez que, em 2017, as vendas de casas subiram entre 25% e 30% face ao ano anterior.

“Os ativos imobiliários valorizaram o país. O imobiliário está a ser a árvore das patacas, mas tem de haver investimento no combate à escassez da oferta para a classe média portuguesa”, justificou, em entrevista à mesma publicação.

Os dados do SIR – Reabilitação Urbana, apurados pela Confidencial Imobiliário, confirmam: entre janeiro de 2016 e junho de 2017 não houve uma única freguesia de Lisboa que tenha ficado de fora do investimento estrangeiro. E, em média,

Segundo a informação disponibilizada pelo SIR – Reabilitação Urbana e pela Confidencial Imobiliário, os investidores externos pagaram mais 94 mil euros por uma casa em Lisboa do que os portugueses.

Relacionadas

Imobiliário: Em 2018 os preços das casas devem continuar a subir

Como grandes tendências para 2018, o vice-presidente da APPII destaca, o surgimento de um novo conceito de espaços e de partilha de serviços e que já vêm ganhando vários adeptos um pouco por toda a Europa e até já em Portugal (conceitos de young professionals, de coworking e mesmo até de co-living, ou projetos que combinam student hotels com student housing).

Imobiliário: 2017 foi um ano onde se bateram vários recordes

Um ano marcado por grandes transações, pela entrada em força de investimento estrangeiro, pelo crescimento da atividade na reabilitação urbana e do renascer de novos projetos de construção nova.
Recomendadas

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.
Comentários