Uma questão de atitude: diga olá ao renting

Na hora de aumentar a frota automóvel da sua empresa: pare, escute e olhe. Atenção, porque a melhor opção nem sempre é a mais óbvia.

Usufruir de uma viatura em pleno, sem dar lugar às desvantagens associadas à sua compra. Este é um dos principais factores que levam a que as empresas decidam pelo financiamento automóvel. Porém, esta é apenas uma das decisões a ter em conta. Há várias modalidades pelas quais pode escolher, tudo dependerá da situação que lhe for mais conveniente, tanto a sua como a da sua empresa. Crédito, leasing, Aluguer de Longa Duração —ALD— ou renting. Esta última, tem tido cada vez mais adeptos no nosso País. Segundo dados da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting, entre Janeiro e Setembro de 2018, o renting de viaturas em Portugal cresceu 20,5% em valor de produção, face ao mesmo período de 2017. Uma das razões que podem explicar esta subida é o facto de o renting favorecer o desenvolvimento de muitas pequenas e médias empresas, principalmente em cenários de crise económica. Para além disso, não é um produto financeiro dependente das variações do crédito e das taxas de juro.

Em nome da (sua!) segurança

Uma das razões que podem explicar este crescimento são as vantagens que lhe estão associadas. Quanto maior a frota, maiores as vantagens. Para além da comodidade para as empresas, existe ainda uma monotorização dos pormenores associados à manutenção automóvel e não só… Desde logo, questões relativas aos impostos, no que respeita à gestão, pagamento e envio de documentação e que não pressupõem qualquer tipo de preocupações para o cliente. O mesmo acontece com o seguro, ainda com a vantagem de existir uma margem negocial que facilite propostas mais competitivas e com maior poder negocial. Há ainda outra vantagem na hora de optar pelo renting para a sua frota e ela tem que ver com a manutenção correctiva e preventiva, isto porque para além de poder resolver problemas quando eles aparecem, há que também saber evitá-los. Nesta prevenção, está incluída a gestão de pneus (substituição, alinhamento de direcção e equilíbrio das rodas), a gestão de sinistros (mecanismos de apoio no caso de sinistros, seja pela imobilização do veículo, peritagem ou reparação) e o veículo de substituição. A pensar na importância da componente empresarial no mundo do renting, a Toyota, através do seu produto de aluguer operacional Toyota Renting Plus, apresenta uma campanha de renting, onde o emblemático C-HR Hybrid, o segundo modelo mais vendido da Toyota em 2018, é proposto pelo valor mensal de apenas 399€ para a versão Comfort com pintura metalizada. Nesta campanha, Mais Atitude/ mês, a versão está abaixo do patamar dos 25.000€, o que significa que paga apenas 10 por cento da atribuição autónoma durante o período do renting. Ou seja, não só consegue renovar a frota da sua empresa de forma eco-evoluída e assente em tecnologia híbrida, como ainda pode aliá-la a um design apelativo e moderno. Não admira, por isso, que esta modalidade ganhe o consenso do consumidor que, cada vez mais exigente, continuará a valorizar o conforto da condução e os reduzidos custos de utilização.

 

 

 

Este artigo foi produzido em colaboração com a Toyota Caetano Portugal.

Ler mais
Recomendadas

Lucros da Sonae Sierra chegam aos 19,1 milhões no primeiro trimestre

No período em referência, a empresa criou a nova joint venture Sierra Balmain depois da aquisição de 50% da Balmain, uma empresa de prestação de serviços polaca.

Fundação Berardo gasta 1 milhão de euros em atividades de cariz social e tem um passivo de 998,5 milhões

De acordo com o relatório e contas da Fundação José Berardo de 2017, consultado pela Lusa, a IPSS do empresário madeirense conhecido por Joe Berardo, sediada no Funchal, gastou 1,041 milhões de euros nos “fins estatutários” da instituição, ou seja, caritativos, educativos, artísticos e científicos.

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceira entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.
Comentários