União Europeia ativa satélite Copernicus para auxiliar Portugal nos incêndios

Além do satélite Copernicus, Bruxelas também garante que poderá ativar a rede de segurança adicional constituída pelo mecanismo RescEU.

EPA/CARLOS GARCIA

A União Europeia anunciou hoje a ativação do satéite Copernicus com o objetivo de auxiliar Portugal no combate aos incêndios florestais.

O satélite vai assim “providenciar imagens e mapas das áreas afetadas pelos fogos em Portugal”, segundo um comunicado da Comissão Europeia divulgado esta segunda-feira, 22 de julho.

“A pedido de Portugal, a União Europeia ativou o satélite Copernicus para providenciar imagens e mapas satélite das áreas afetadas”, disse o comissário europeu Christos Stylianides, que está a acompanhar os fogos florestais em Portugal.

Bruxelas diz que tem estado em contacto com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, reafirmando junto das autoridades portuguesas a “prontidão por parte da União Europeia caso os portugueses necessitem de assistência”.

“Os nossos pensamentos estão com todos os que foram afetados e com aqueles que estão no terreno a trabalhar em situações extremamente difíceis”, segundo Christos Stylianides.

Além do satélite Copernicus, Bruxelas também garante que poderá ativar a rede de segurança adicional constituída pelo mecanismo RescEU, caso uma autoridade portuguesa venha a requisitar este auxílio.

Ler mais
Recomendadas

Greta: “Os jovens protestam há um ano, não podemos continuar. As pessoas no poder precisam de fazer alguma coisa”

A ativista ambiental admite que a sua mensagem não está a surtir efeito e exige aos líderes mundiais mais ações para combater as alterações climáticas.

Advogado: Amante de Rosa Grilo sai em liberdade por falta de provas

António Joaquim vai ficar sujeito ao termo de identidade e residência até ao fim do julgamento. A leitura do acórdão do julgamento do homicídio de Luís Grilo está marcada para 10 de janeiro.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.
Comentários