União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

A União Europeia está a pressionar cada vez mais a Suíça para fechar um novo acordo bilateral que cimente os laços entre ambos os lados. O comissário europeu Johannes Hahn, tem estado em contato com o ministro das Relações Exteriores da Suíça, revela o jornal suíço “Neue Zuercher Zeitung”.

“No interesse de ambos os lados, precisamos obter resultados em breve. As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu Johannes Hahn, esperando ter resultados até ao final de outubro.

No ano passado, a Comissão concordou em reconhecer as regras do comércio suíço de bolsas somente até ao fim de 2018.

Questionado sobre o que acontecerá com a negociação de ações se nenhum acordo surgir no final de outubro, Johannses Hahn, afirmou que “sinceramente não consigo imaginar” e que “prolongaríamos a exceção por mais um ano”.

O volume de negócios nas bolsas de valores suíças podem cair 70% a 80% se a União Europeia se recusar a reconhecer as regras cambiais suíças como equivalentes às normas da UE, levando o governo suíço a elaborar planos de contingência que possam proibir a negociação de ações suíças em ações da UE.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, pediu na semana passada que Berna encerre as negociações rapidamente, sublinhando que “o tempo é curto à medida que a atenção se volta para a fase de crise das negociações do Brexit”.

A falta de um acordo significaria nenhum aumento no acesso da Suíça ao mercado único e poderia colocar em risco o acesso irrestrito ao mercado da UE para fabricantes suíços de produtos como aparelhos médicos.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Costa: “Se alguém tem provas que me ponham em causa tem toda a possibilidade de me exonerar”

Governador do Banco de Portugal diz que nada fez de errado quando era administrador do banco público.

Salário mínimo deve ser igual para todos, defende Rui Rio

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou o líder do PSD.
Comentários