União Europeia e Ucrânia assinam acordo de um milhão de euros

Recursos do novo programa de assistência serão repartidos em duas tranches de até € 500 milhões, dependentes da implementação das medidas políticas específicas acordadas entre a Ucrânia e a UE no Memorando de Entendimento

Ucrânia

A Comissão Europeia (CE) assinou esta sexta-feira, em Kiev, um acordo para assistência macrofinanceira (MFA) à Ucrânia no valor de um mil milhões de euros, anunciou a instituição em comunicado.

O acordo tem o objectivo de suportar as reformas implementadas no país para apoiar a estabilização económica, nomeadamente através de reformas estruturais e de governação.

“A Europa apoia de forma firme a Ucrânia na recuperação e reforma económica. O novo programa de assistência macrofinanceira da UE ajudará a Ucrânia a reduzir as vulnerabilidades económicas e a reforçar a estabilidade. Ao mesmo tempo, através da implementação de reformas ambiciosas relacionadas com a nova operação de MFA, especialmente na área da luta contra a corrupção, a Ucrânia atenderá às expectativas dos cidadãos e enviará um forte sinal aos parceiros e investidores internacionais”, disse o vice-presidente da Comissão responsável pelo euro e pelo Diálogo Social.

A nova assistência macrofinanceira proposta complementa três programas de AMF anteriores, através dos quais a UE desembolsou um total de 2,8 mil milhões de euros para a Ucrânia desde o início da crise em 2014 e um programa do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os recursos do novo programa de assistência serão repartidos em duas tranches de até € 500 milhões. Cada tranche de financiamento está dependente da implementação das medidas políticas específicas acordadas entre a Ucrânia e a UE no Memorando de Entendimento, que inclui a luta contra a corrupção, a gestão das finanças públicas e a governação das empresas e dos bancos.

Recomendadas

Governo ouve portugueses sobre desafios na África do Sul

José Luís Carneiro disse à agência Lusa que, na terceira visita à África do Sul, de hoje a sábado e na segunda-feira, “o primeiro grande objetivo é a auscultação dos representantes de todos os movimentos culturais, sociais e económicos na África do Sul, dado que o país vive também desafios importantes”.

México pode perder 2% do PIB se não vender petróleo ao exterior, adverte a Moody’s

A agência de rating diz que a perda de receita gerará um impacto negativo, o que iria obrigar a um aumento dos impostos. Por isso, aconselha López Obrador a renunciar à decisão.

Riqueza global continua a aumentar, com destaque para Estados Unidos e China

Os Estados Unidos continuam a liderar a listas da criação planetária de riqueza, mas a China, num confortável segundo lugar, está cada vez mais próxima.
Comentários