PremiumUnião Europeia está a perder a paciência com a Polónia

Cenário em que a Polónia abandona a União Europeia e volta a ser uma espécie de ‘terrade ninguém’ entre blocos antagónicos é uma possibilidade real. Donald Tusk, um velho amigo de Bruxelas, chamou os polacos à rua para estancar essa deriva. Mas isso pode não chegar.

O crescente afastamento entre a Polónia (e a Hungria) e o conjunto da Comissão Europeia e do Conselho Europeu pode, extremando-se, resultar na saída daquele país da antiga Cortina de Ferro – mas isso seria o pior que podia suceder aos polacos, como avisam a maioria dos analistas de assuntos internacionais.

Desta vez, o diferendo tem a ver com o facto de algumas decisões da União Europeia – nomeadamente no que tem a ver com a Justiça – colidirem, diz a Polónia, com o texto da sua Constituição. “Isso não é o problema”, refere o analista Francisco Seixas da Costa ao JE: “A Polónia assinou todos os tratados da União, inclusivamente o de Lisboa, o que quer dizer que o país aceita a transferência de parte da soberania para o conjunto dos 27.” Ora, ao pretender impor a sua Constituição como barreira à acomodação das leis gerais da União, a Polónia incorre de facto num procedimento burocrático que no limite aponta para a sua saída.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

PremiumProjeto inovador pretende utilizar palmito da bananeira como alimento

O projeto Palmito do Atlântico, desenvolvido por João Petito, no âmbito de uma disciplina na Universidade da Madeira, pretende utilizar o interior do pseudocaule da bananeira, designado de palmito, como alimento para comercializar.
Comentários