Unicórnios contribuem para o maior investimento de sempre em capital de risco

Segundo um relatório da consultora KPMG, a Europa registou cerca de 4,3 mil milhões de euros em investimento em ‘venture capital’ no primeiro trimestre do ano.

O investimento global em capital de risco atingiu os 49,3 mil milhões de dólares (cerca de 40,7 mil milhões de euros), com 2661 operações, no primeiro trimestre de 2018, um aumento face aos 46 mil milhões de dólares no trimestre anterior (cerca de 38 mil milhões de euros) e apoiado pelo crescimento de negócios como as empresas “unicórnio” (avaliadas em mais de mil milhões de dólares).

A conclusão é do relatório “Venture Pulse Q1 2018”, elaborado pela consultora KPMG, que revela que os unicórnios conquistaram 14 mil milhões de dólares (quase 12 mil milhões de euros) de investimentos de venture capital por via de 32 operações contabilizadas nos primeiros três meses do ano.

“Este tipo de investimentos estão a privilegiar empresas em fases mais avançadas da sua evolução, em parte devido ao número de empresas ‘unicórnio’ em que permaneceram privadas”, afirma Nasser Sattar, Head of Advisory da KPMG Portugal. “Com as entradas em Bolsa de empresas como a Dropbox e Zsclarer e um aumento do número de registos de Ofertas Públicas Iniciais (IPO), este panorama pode mudar a médio-prazo, com a recuperação do investimento em fases mais iniciais”, acrescentou o porta-voz da consultora.

Segundo o estudo da KPMG, a dimensão das operações aumentou em todas as rondas de investimento no mundo: 1,3 milhões de dólares para angel e seed stages (aproximadamente 1,07 milhões de euros), 7,7 milhões de dólares para early stages (aproximadamente 6,4 milhões de euros) e 15 milhões de dólares para negócios em fases mais avançadas (aproximadamente 12,3 milhões de euros).

“A Europa registou 5,2 mil milhões de dólares [perto de 4,3 mil milhões de euros] em investimento de venture capital no primeiro trimestre de 2018. Porém, o número de operações na Europa continuou a diminuir acentuadamente, caindo para 548, menos de metade das operações registadas no mesmo período do ano passado”, assinala o mesmo documento. Entre os países que se destacam no ‘Velho Continente’ está a França e a Alemanha, devido a apostas no grupo Auto1 e na Cabify.

Ainda assim, foram os Estados Unidos da América os recordistas neste segmento. O país registou um investimento em capital de risco na ordem dos 28,2 mil milhões de dólares (cerca de 23,2 mil milhões de euros), distribuídos por 1693 operações, nos meses de análise. A consultora estima que o ritmo de crescimento se mantenha no próximo trimestre, sobretudo nas áreas de Inteligência Artificial, Autotech e Healthtech.

Ler mais
Recomendadas

Bazaar Business Consulting traz marcas brasileiras para Portugal

Conheça alguns produtos inovadores oriundos do Brasil e que agora querem entrar no mercado português.

Juros baixos vão continuar a dar gás ao M&A em Portugal

Advogados contatados pelo JE defendem que a conjuntura permanece propícia à realização de operações de consolidação no mercado nacional. Qualidade dos ativos também será crucial, dizem.

M&A: Imobiliário e energia vão compensar desaceleração da economia

Apesar dos sinais de desaceleração económica e de o ano passado ter colocado a fasquia elevada no mercado nacional de fusões e aquisições, Portugal continuará, ainda assim, a ser visto como um país moderno, seguro e atrativo para investir em 2019, segundo os especialistas contactados pelo Jornal Económico.
Comentários