V Recenseamento Empresarial arranca em Setembro e custa dez mil contos

O Governo vai gastar cerca de dez mil contos no recenseamento empresarial, que decorre de 03 a 30 de Setembro em todo o país, segundo uma fonte do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em declarações à imprensa à margem de uma formação dos inquiridores que se iniciou hoje na Cidade da Praia, o vice-presidente do INE, Celso Soares, explicou que este recenseamento vai permitir recolher todas informações atinentes ao tecido empresarial que actua em Cabo Verde, além de proporcionar uma “informação exaustiva” sobre a demografia das empresas e actividades económicas do país.

Segundo o vice-presidente do INE, vão ser transmitidas aos formandos informações que devem ser recolhidas, com vista a ter “todos os dados fundamentais” para a actividade que se está a desenvolver, que consiste na “renovação do ano básico das contas nacionais”.

“Essas informações são cruciais para o sucesso desta operação” indicou Celso Soares, acrescentando que, pela primeira vez, este recenseamento contempla organizações não-governamentais (ONG).

Explicou, por outro lado, que as ONG entram neste recenseamento porque estas também se dedicam às actividades económicas.

Durante o recenseamento, os inquiridores vão procurar saber desde quando uma determinada empresa foi criada, em que área está a exercer actividades económicas, sobre o número de pessoal com o qual labora, enfim, vai se recolher informações gerais sobre a empresa.

Além da Praia, existem mais três pólos de formação: São Vicente, Sal e Fogo.

Ler mais
Recomendadas

Governo cabo-verdiano afasta problema de gestão nos aeroportos após rotura de combustíveis na Ilha do Sal

O ‘jet fuel’ afetou aviões que fizeram escala técnica na ilha no final da semana passada.

UE tem 2,5 milhões de euros para desenvolvimento sustentável e inclusão social em Cabo Verde

“Vamos ter em conta as propostas apresentadas, as temáticas tratadas, o trabalho já feito pelas organizações que vão apresentar estes projetos, a viabilidade e a sustentabilidade desses projetos, uma vez terminado o potencial financiamento”, disse Sofia Moreira de Sousa, embaixadora da União Europeia em Cabo Verde.

Bolsa de Valores de Cabo Verde sugere união dos Fundos do Ambiente, Turismo e Rodoviário

Emanuel Lima considera que esta pode ser a solução para grandes investimentos em Cabo Verde.
Comentários