Vai viajar de avião? Conheça o ‘advogado digital’ que defende os direitos dos passageiros

A AirHelp lançou recentemente o seu segundo mecanismo impulsionado por Inteligência Artificial para agilizar as capacidades legais da empresa.

A AirHelp lançou o seu segundo advogado impulsionado por Inteligência Artificial (IA) para agilizar as capacidades legais da empresa. Chama-se Lara e vai defender os direitos dos passageiros que viajam de avião, permitindo o crescimento dos serviços jurídicos e a expansão no mercado.

O novo jurista artificialmente inteligente foi desenvolvido pela equipa jurídica da AirHelp a nível mundial e por engenheiros na área da tecnologia. O mecanismo, de auxílio ao viajante, apresentado na semana passada, foi testado em mais de 6 mil pedidos e é capaz de decidir em tempo real se um pedido é forte para ter sucesso em tribunal.

O ‘advogado digital’ está programado para avaliar o estado atual do voo, as estatísticas do aeroporto, os relatórios meteorológicos, bem como navegar, em tempo real, nas complexidades relativas às leis internacionais, obtendo uma avaliação correta em 95% dos casos. “A adição de Lara permitirá aumentar a eficiência em toda a empresa, sem risco de redução do número de advogados humanos que trabalham para a AirHelp. Lara irá libertar os seus colegas humanos de tarefas administrativas repetitivas”, argumenta a empresa.

Lara junta-se assim ao Herman, o primeiro advogado de IA da AirHelp, criado para processar pedidos de compensação por perturbações em voos o mais rapidamente possível. O diretor da empresa considera que, desta forma, os consumidores podem “beneficiar de uma perícia exata e a empresa consegue inovar noutras áreas, de modo a servi-los melhor”.

“Com a integração de Lara na equipa, o duo de advogados impulsionados por IA conseguirá não só processar pedidos, como também determinar a viabilidade dos mesmos e a probabilidade de alcançarem uma decisão judicial vencedor”, refere o CEO da startup especialista na defesa dos direitos dos passageiros, Henrik Zillmer.

Relacionadas

Quais são os desafios do setor financeiro para 2018?

Na segunda edição do Beyond – Portugal Digital Revolutions, a consultora EY Portugal avaliou as tendências que vão determinar o setor financeiro no próximo ano e destacou a importância da evolução tecnológica. Conheça os sete principais desafios identificados pela EY.

Transformação digital: Chegou o momento das pessoas e ações

Com a transformação digital em curso, vivemos ainda uma fase em que, um pouco por todo o mundo, existem organizações com dificuldades em equilibrar os elementos necessários para cumprir a promessa do digital.

Drones, sensores biométricos e apps: a ajuda humanitária está a mudar

Robert Opp é diretor de inovação do Programa Alimentar das Nações Unidas. Em entrevista ao Jornal Económico, explica como a agência humanitária está a utilizar a tecnologia para aumentar a eficiência da assistência.
Recomendadas

“Overtourism”: Estas 10 cidades estão a ser engolidas pelo turismo em massa

Com cada vez mais viajantes, o conceito de turismo em excesso alargou-se a mais destinos. Conheça os países que vão ser as principais vítimas deste fenómeno na próxima década.

O que fazer quando um crédito “desaparece” da Central de Responsabilidades

No caso de o crédito “desaparecer” da CRC não significa que a dívida deixou de existir, sendo que o consumidor mantém a sua responsabilidade perante a obrigação. Esta situação poderá ocorrer aquando da cessão de crédito (venda da dívida a terceiros), a favor de uma entidade fora do sistema financeiro, pelo que esta passa a assumir a posição de credor.

Mais de metade dos portugueses não confiam em fazer compras pela internet

Entre os consumidores que já aderiram às compras pela internet, 65% destacam como grande vantagem a comodidade. Por outro lado, 44% vê nas devoluções o maior entrave no ‘e-commerce’.
Comentários