Valor sob gestão dos fundos imobiliários soma 10.871,3 milhões em junho

Os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 43,9% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços e 22,1% no comércio, revela a CMVM.

Cristina Bernardo
Ler mais

Os dados são da CMVM. Em junho de 2018, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.871,3 milhões de euros, mais 50,0 milhões (0,5%) do que em maio.

De acordo com a mesma estatística, o montante investido nos fundos de investimento imobiliário subiu 0,9% para 7832,5 milhões de euros.

Já nos FEII o valor recuou 0,7% para 2.543,8 milhões de euros e nos FUNGEPI desceu 0,2% para 495,0 milhões de euros.

No mês em análise, os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 43,9% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços e 22,1% no comércio.

Os investimentos realizados pelos FUNGEPI destinaram-se sobretudo ao setor do comércio (44,5% do total).

A Interfundos (14,7%), a Norfin (11,8%) e a GNB (9,8%) detinham as quotas de mercado mais elevadas, revela a CMVM.

A mesma entidade adianta que em junho, foi constituído o “Fundo Fechado de Investimento Imobiliário LCN Portuguese Fund 1”, gerido pela Fund Box – SGFII. E no mesmo período foi liquidado o “Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imosaúde”, gerido pela Selecta – SGFII.

Ainda em junho, o fundo de investimento imobiliário “Capital Real I – Fundo de Investimento Imobiliário Fechado”, gerido pela Fibeira Fundos – SGFII, passou a fundo especial de investimento imobiliário, tendo a denominação sido alterada para “Capital Real I – Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado”.

Recomendadas

Quintela e Penalva com vendas de 94 milhões no primeiro semestre

Imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo registou 134 negócios. A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros representou 71% das transações.

Pedidos de habitação social em Lisboa atingem máximo de oito anos

Segundo dados da autarquia, vivem nos bairros municipais “cerca de 75 mil pessoas”, o que corresponde a “mais de 15% da população da cidade”. Na cidade do Porto existem mais de mil pedidos por satisfazer.

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.
Comentários