Venda vs Serviço: soluções à medida

Com 70 anos de existência e líder de mercado no seu segmento, a IMO é uma empresa familiar que, de Felgueiras, chega aos quatro cantos do Mundo.

Pensada inicialmente para ser uma pequena metalurgia, a IMO já vai na terceira geração de gestores. Com o tempo, foi-se especializando em mobiliário hospitalar: camas, macas, cadeirões, mesas, entre outros. Materiais de qualidade, tanto a nível de proteção como antibacteriano, tecnologia de ponta e competitiva, a hipótese de poder controlar os vários processos de produção. João Sousa, neto do fundador da empresa, tem orgulho no caminho percorrido e vontade de crescer ainda mais. Para ele, a Newrent é uma parceira que lhe permitiu atingir uma dimensão suficiente para conseguir a chegar a todos os continentes. Foi no início da década de 90 que resolveram fazer da exportação um objectivo primordial, desenvolvendo e adequando os seus vários produtos ao mercado mundial. Até porque hoje, a venda do produto faz-se de maneira diferente: o serviço assume uma importância como nunca se viu, uma tendência testemunhada no Mundo inteiro e com uma relevância cada vez maior. É fundamental um leque alargado de soluções para que os clientes tenham exactamente aquilo de que precisam. Uma ponte em tudo facilitada pela sinergia positiva entre estas duas empresas.

 

 

Este artigo foi produzido em colaboração com a Newrent.

Recomendadas

Delta Air Lines lança nova rota sem escalas entre Lisboa e Boston

De acordo com esta companhia aérea norte-americana, no ano passado, registou-se em Portugal um aumento em 20% no número de visitantes provenientes da América do Norte.

Imposto estatal de 7 mil milhões de dólares coloca futuro da Samsung em risco

Família fundadora da Samsung corre o sério risco de perder o seu controlo em breve.

Comissão de trabalhadores da CP exige reintegração da EMEF

A comissão de trabalhadores da CP escreveu uma carta aberta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, alertando para a possibilidade de “um acidente com consequências trágicas”.
Comentários