Vendas do Grupo DIA caíram 9% em 2019, mas há uma tendência de mudança em Portugal

O grupo retalhista presente no mercado nacional garante sinais de inflexão de queda na operação em Portugal, mas não revela números.

Supermercados

O grupo retalhista DIA registou vendas líquidas de 6.870 milhões em 2019, o que representou uma quebra de 9,3% face ao ano precedente.

De acordo com um comunicado da cadeia de distribuição presente em Portugal, no ano passado, a companhia obteve um EBITDA ajustado positivo de 34,1 milhões de euros, sem extraordinários.

Recorde-se que o Grupo DIA se encontra em processo de reestruturação financeira.

“A nova equipa diretiva já implementou um significativo e determinante novo modelo para mudar o negócio em todos os mercados”, assegura o referido comunicado, acrescentando que nos quatro países em que o Grupo DIA está presente – Portugal, Espanha, Brasil e Argentina – “foram incorporados às equipas de gestão 87 profissionais com grande experiência e conhecimento do mercado local”.

“Reconhecer a situação da companhia é o primeiro passo para mudá-la. Começámos 2020 já com os frutos do trabalho realizado e o impacto foi determinante e significativo. No futuro, estamos decididos a construir a nossa própria história de sucesso, que se baseará numa oferta de proximidade moderna, uma proposta de valor atrativa, frescura, excelência operativa, um modelo de franquia benéfico para ambas as partes e uma oferta de marca própria excecional”, assinala Karl-Heinz Holland, CEO do Grupo DIA.

No entender deste responsável, “o caminho da DIA está hoje impulsionado por grandes profissionais conhecedores do mercado local, que darão à companhia um enfoque único”.

“Estamos totalmente comprometidos na transformação dos nossos pilares para criar a melhor experiência para o cliente. Os nossos esforços abarcaram não só a melhoria e otimização em todas as áreas críticas, mas também outros pontos importantes, como alargar as melhores práticas a todo o grupo e implementar controlos financeiros integrais. O processo de transformação da DIA fortalece-se todos os dias”, garante Karl-Heinz Holland.

Inversão de tendência em Portugal

Por seu turno, Miguel Guinea, CEO da DIA Portugal, que gere a cadeia de supermercados Minipreço, defende que “o ano de 2019 foi um ano de grandes e inúmeros desafios para Portugal”.

“Durante o primeiro semestre, a situação global da companhia afetou-nos significativamente e ainda que tenhamos corrigido essa tendência, as nossas vendas caíram 4,6% como estão refletidos nos nossos resultados. A partir do segundo semestre definimos bases muito importantes para o futuro de Portugal”, assegura este responsável.

Miguel Guinea destaca que “o projeto de frescos e revisão do sortido, a preparação da transformação do modelo operativo de loja e uma nova logística de frescos, permitiu-nos começar a ver uma mudança de tendência que temos de consolidar como objetivo para 2020”.

O compromisso de todos, franqueados, colaboradores e fornecedores foi e será a chave para assegurar e avançar com este processo de mudança e transformação da companhia”, conclui Miguel Guinea.

De acordo com o comunicado da DIA, “durante o ano de 2019, a companhia enfrentou um contexto empresarial, financeiro e corporativo altamente complicado e volátil que, apesar de ter melhorado significativamente a meados do ano, teve um impacto negativo e considerável sobre o negócio que afetou todas as operações”.

“As vendas comparáveis diminuíram 7,6%, impulsionadas por menos 0,7% no número de ‘tickets’ e uma redução de 7% na cesta média, o que demonstra um elevado índice de fidelidade dos clientes apesar do difícil contexto da companhia”, observa o referido comunicado.

O EBITDA ajustado, sem resultados excecionais, do Grupo DIA no ano passado, alcançou os 34,1 milhões de euros, comparados com os 376 milhões de euros do ano passado.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Continente alarga rede de produtores nacionais para assegurar abastecimento

As vendas do Continente de produtos nacionais têm aumentado progressivamente, sendo que no último ano foram adquiridas mais de 92 mil toneladas, que correspondem a frutas e legumes.

Covid-19: Donos do Intermarché vão doar meio milhão de euros a profissionais de saúde

A iniciativa do Grupo Os Mosqueteiros pretende ajudar a suprimir as necessidades dos profissionais da linha da frente no que diz respeito a equipamentos de proteção individual e material médico.

CTT lançam descontos e condições especiais para empresas e clientes particulares

Uma das medidas tomadas pelos Correios é disponibilizar portes gratuitos para todas as compras realizadas na lojas online CTT, até ao final de abril.
Comentários