Covid-19. Alguns supermercados tiveram um aumento de 50% na procura no início de março, mas ritmo já regularizou

“Não se perspetivam quais ruturas de stocks. Há uma retoma da normalidade nos supermercados”, garante o secretário de Estado do Comércio, João Torres.

Alguns supermercados em Portugal chegaram a registar um aumento da procura de 40% a 50% nos dias em que foram revelados os primeiros casos de Covid-19 no país, no início de março, mas a procura já está a normalizar.

A garantia é dada pelo secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres.

“Se há sensivelmente 15 dias, observámos um pico de consumo e o que vulgarmente se designa uma corrida aos supermercados, o que se tem verificado ao longo dos últimos dias é uma regularização da  procura dentro deste contexto de Estado de Emergência da Covid-19, o que significa que os níveis de afluência aos minimercados, supermercados e hipermercados do pais, tem descido comparativamente com as ultimas semanas”, disse João Torres.

“Na altura, como tive oportunidade de transmitir, não era justificável [corrida aos supermercados] na perspetiva de que não estavam em causa ruturas de stocks ou das próprias cadeias de abastecimento”, assegura o governante.

“Houve de facto nos primeiros dias de deteção de casos de Covid-19 em Portugal, aumentos muito significativos [nas vendas] face àquilo que é o cenário normal. Nalguns casos, em alguns supermercados, houve picos de procura na ordem dos 40% a 50%, mas não podemos generalizar”, adiantou.

O secretário de Estado do Comércio fez assim um balanço da quarta reunião do Grupo de Acompanhamento e Avaliação das Condições de Abastecimento de Bens nos Setores Agroalimentar e do Retalho em Virtude das Dinâmicas de Mercado determinadas pelo Covid-19, que teve lugar na quarta-feira por videoconferência. Este grupo reúne 20 entidades entre associações e federações da agricultura, da indústria agroalimentar, da logística e dos transportes, do retalho e da distribuição, assim como vários membros da administração pública e do Governo.

“Não se perspetivam quais ruturas de stocks, e quer o pilar da indústria agroalimentar, quer o da logística e dos transportes, quer o do retalho e da distribuição, passam uma mensagem de confiança”, afirmou, apontando que o ministério da Economia faz um acompanhamento muito próximo da situação no terreno.

“Em relação aos últimos dias e à última semana, todos os dados de que dispomos vão no sentido muito claro de uma retoma de normalidade relativa em relação à procura, há uma regularização de procura, o consumo deve acontecer de forma consciente, como aconteceu no último fim de semana e nos primeiros dias desta semana”, afirmou o governante, que elogia a maturidade dos portugueses.

O secretário de Estado do Comércio também rejeitou a possibilidade de ser realizado um racionamento de bens alimentares.

“O Governo considera que neste momento não se verifica qualquer necessidade de imposição de racionamento no que diz respeito a aquisição de produtos”, afirmou na quarta-feira.

“Não se perspetivam quaisquer ruturas nos stocks no curto prazo e também porque do ponto de vista da afluência dos consumidores não se têm verificado constrangimentos relevantes e este e um cenário que não se encontra em cima da mesa, neste momento”, disse João Torres.

Ler mais
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.
Comentários