Vendas no retalho registam o menor crescimento desde fevereiro

De acordo com os dados revelados do INE, as horas trabalhadas no retalho cresceram sensivelmente em termos homólogos.

David Paul Morris/Bloomberg

As vendas no setor do retalho em Portugal abrandaram em outubro, crescendo 1,8% em termos homólogos, abrandando em relação aos 4,4% registados em setembro, naquele que foi o crescimento mais lento desde fevereiro.

De acordo com os índices de volume de negócios, emprego, remunerações e horas trabalhados no comércio a retalho, divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), este menor ritmo de crescimento deve-se à “desaceleração significativa” no segmento de produtos não alimentares, que passaram de uma subida de 6,2% em setembro para uma variação homóloga de 1,5% em outubro.

Comparando outubro a setembro,  a actividade fixou-se em -2,3%, a maior queda na atividade dos últimos doze meses e que compara com uma subida de 1,2% entre agosto e setembro.

Já o índice de emprego no setor avançou em termos homólogos a um ritmo superior ao verificado em setembro (subiu para 3,8% em outubro face aos 3,4% de setembro), ao passo que o índice que mede as remunerações no retalho abrandou para um crescimento de 2,9% em relação aos 5,3% de setembro.

Em termos homólogos, as horas trabalhadas cresceram novamente. Em outubro registou-e um aumento de horas trabalhadas de 1,5%, face aos 1,4% em setembro.

Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários