Venezuela ativa distribuição de produtos básicos em supermercados portugueses

Segundo o ministro venezuelano de Alimentação, o plano piloto inclui a distribuição de farinhas de milho, massas, produtos láteos e diferentes tipos de proteínas, entre outros.

Ler mais

Governo venezuelano anunciou esta sexta-feira que ativou um plano piloto para distribuir produtos básicos alimentares, difíceis de encontrar no mercado local, em duas redes de supermercados de portugueses, Central Madeirense e Unicasa, assim como na estatal Abastos Bicentenário.

“Arrancámos com um plano piloto na rede de Abastos Bicentenários, com as cadeias de alimentos Central Madeirense e Unicasa, de abastecimento de produtos do cabaz básico”, afirmou o ministro venezuelano de Alimentação, Luís Alberto Medina.

O mesmo responsável, através do canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV), precisou que o programa arrancou na terça-feira e que foram atendidas mais de 210 mil pessoas.

“Idealizámos um plano especial para o abastecimento. Temos os Comités Locais de Abastecimento e Produção, mas também a rede de distribuição de produtos e alimentos do cabaz básico para o nosso povo. São produtos que tinham desaparecido da rede de comercialização”, sublinhou.

Segundo o ministro, o plano piloto inclui a distribuição de farinhas de milho, massas, produtos láteos e diferentes tipos de proteínas, entre outros.

Na Venezuela são frequentes as queixas da população sobre dificuldades para conseguir produtos básicos no mercado local, bem como aos preços excessivamente altos e, portanto, inacessíveis para a maior parte da população.

Recomendadas

Dívida da Madeira diminui 103 milhões de euros no segundo trimestre

No final do segundo trimestre a dívida regional estava fixada em 4.709 milhões de euros. A Madeira teve também uma queda no peso dos empréstimos dos 73,2% para os 71,6%.

Plano B para viagens aéreas é limitado e financia encapotadamente agências de viagens, diz BE

O plano do Governo Regional, refere o BE Madeira, “ignora a liberalização da linha aérea” com o Continente e “deixa desamparados” os estudantes quando as viagens forem superiores a 400 euros e quando se esgotam os voos.

Transacções de imóveis no valor mais elevado desde 2009 na Madeira

Em 2017 as transacções de imóveis chegaram aos 503,9 milhões de euros. o valor médio rondou os 103,5 mil euros.
Comentários