Venezuela quer criar bloco comercial anti-dólar com China, Rússia e Índia

O presidente Nicolás Maduro está a procurar alternativas para receber os pagamentos das vendas de petróleo depois das sanções impostas pelos Estados Unidos para restringir as exportações de petróleo bruto da OPEP para o território norte-americano.

AFP/Getty Images | Nicolas Maduro

A Venezuela está a tentar criar um bloco comercial formado pela China, Índia e Rússia, para estes ajudarem o país sul-americano a receber os pagamentos do petróleo vendido a outros países em outras moedas que não o dólar. A medida é avançada esta terça-feira pela agência “Reuters”, com base nas declarações do ministro do petróleo venezuelano, Manuel Quevedu.

O país tem vindo a procurar formas de pagamento alternativas para manter o abastecimento de petróleo para a Índia, um mercado de exportação fundamental, em especial depois das sanções impostas pelos Estados Unidos para limitar as exportações de petróleo bruto da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para o território norte-americano.

“Todos nós podemos construir uma economia e essa economia não precisa necessariamente de estar dentro da economia do dólar”, afirmou Manuel Quevedu, referindo-se à China, Rússia e Índia.

O ministro, que na segunda-feira havia dito que “Caracas estava aberta para negociar com Nova Delhi”, recusou-se a revelar detalhes sobre como pretende fazer negócios com a Índia. “Certamente não vamos informar (sobre como pretendemos fazer os negócios) aqueles que querem destruir a nossa indústria de petróleo”, referiu Manuel Quevedu.

Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários