Venezuela quer criar bloco comercial anti-dólar com China, Rússia e Índia

O presidente Nicolás Maduro está a procurar alternativas para receber os pagamentos das vendas de petróleo depois das sanções impostas pelos Estados Unidos para restringir as exportações de petróleo bruto da OPEP para o território norte-americano.

AFP/Getty Images | Nicolas Maduro

A Venezuela está a tentar criar um bloco comercial formado pela China, Índia e Rússia, para estes ajudarem o país sul-americano a receber os pagamentos do petróleo vendido a outros países em outras moedas que não o dólar. A medida é avançada esta terça-feira pela agência “Reuters”, com base nas declarações do ministro do petróleo venezuelano, Manuel Quevedu.

O país tem vindo a procurar formas de pagamento alternativas para manter o abastecimento de petróleo para a Índia, um mercado de exportação fundamental, em especial depois das sanções impostas pelos Estados Unidos para limitar as exportações de petróleo bruto da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para o território norte-americano.

“Todos nós podemos construir uma economia e essa economia não precisa necessariamente de estar dentro da economia do dólar”, afirmou Manuel Quevedu, referindo-se à China, Rússia e Índia.

O ministro, que na segunda-feira havia dito que “Caracas estava aberta para negociar com Nova Delhi”, recusou-se a revelar detalhes sobre como pretende fazer negócios com a Índia. “Certamente não vamos informar (sobre como pretendemos fazer os negócios) aqueles que querem destruir a nossa indústria de petróleo”, referiu Manuel Quevedu.

Recomendadas

Venezuela: Washington pede à UE para reconhecer Juan Guaidó como “único presidente legítimo”

Vice-presidente norte-americano recordou a conferência que se realizou esta semana em Washington na qual 30 países reafirmaram o compromisso de ajudar a Venezuela e enviar ajuda humanitária.

Eleições europeias: campo de batalha para todas as ‘fake news’

O movimento de Emmanuel Macron, como tantos outros, está convencido que Steve Bannon e Vladimir Putin estarão ativamente concentrados contra o aprofundamento da União Europeia.

Amazon desistiu de se mudar para Nova Iorque

A companhia tem sede mas Seattle mas a expansão de um segundo escritório principal em Nova Iorque foi comprometida por políticos que se opuseram devido aos benefícios fiscais que a empresa iria receber do Estado.
Comentários