Venezuela: Washington pede à UE para reconhecer Juan Guaidó como “único presidente legítimo”

Vice-presidente norte-americano recordou a conferência que se realizou esta semana em Washington na qual 30 países reafirmaram o compromisso de ajudar a Venezuela e enviar ajuda humanitária.

Jonathan Ernst / REUTERS

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, assegurou hoje que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, é “um ditador” e “deve ir-se embora”, e instou a União Europeia (UE) a reconhecer Juan Guaidó como “único presidente legítimo”.

Pence fez estas declarações na Conferência de Segurança de Munique, um fórum de política externa e defesa, na qual afirmou que a Venezuela é “uma tragédia que precisa da resposta de todo o mundo”.

Na Venezuela está a ocorrer uma “luta entre ditadura e liberdade”, argumentou Pence, que enumerou os problemas políticos e económicos do país latino-americano e estimou que outros dois milhões de venezuelanos poderiam abandonar o país e juntar-se aos três atuais três milhões de refugiados.

“Felizmente, a liberdade está a começar a triunfar”, adiantou Pence, que avançou que nos próximos dias o povo venezuelano vai voltar a sair à rua para exigir “democracia” e um “Estado de direito”.

O vice-presidente norte-americano recordou a conferência que se realizou esta semana em Washington na qual 30 países reafirmaram o compromisso de ajudar a Venezuela e enviar ajuda humanitária.

Os Estados Unidos estão “orgulhosos” por terem sido o primeiro país a reconhecer como presidente Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país latino-americano.

Atualmente, 52 países já reconheceram Guaidó, dos quais 30 são europeus, indicou, adiantando que “o resto do mundo deve continuar agora”.

Vários Estados-membros da União Europeia reconheceram Guaidó como Presidente interino depois de terem dado oito dias a Maduro para convocar eleições, pedido a que o presidente venezuelano não respondeu.

Na intervenção na Conferência de Segurança de Munique, Mike Pence também afirmou que chegou o momento de a Europa se retirar do acordo nuclear iraniano e unir-se a Washington para pressionar Teerão.

“Chegou o momento de os nossos sócios europeus se retirarem do acordo nuclear iraniano e de se unirem a nós quando exercemos a pressão económica e diplomática necessária para dar ao povo iraniano, à região e ao mundo a paz, segurança e liberdade que merecem”, afirmou.

O vice-presidente dos Estados Unidos afirmou que Teerão é “o maior patrocinador do terrorismo internacional” e é a “maior ameaça para a paz e segurança”.

Além de interferir nos conflitos da Síria e Iémen, o Irão exportou mísseis, contribuiu para a perpetração de atentados na Europa e está a conspirar para “destruir Israel”, argumentou Pence.

Ler mais
Relacionadas

Guaidó defende relação comercial privilegiada com os Estados Unidos

Declarações do líder da oposição foram entendidas com uma resposta ao Presidente Nicolás Maduro, quando assegurou que os Estados Unidos estão por detrás de um golpe de Estado na Venezuela para se apoderarem dos seus recursos naturais.

Venezuela: Militares bloqueiam entrada de ajuda humanitária vinda dos EUA

O governo do Presidente Nicolas Maduro recusa esta ajuda dos Estados Unidos, que acusou de ser um pretexto para uma intervenção militar, e nega a existência de uma crise humanitária no país.

Venezuela: Papa Francisco pede a Nicolás Maduro para evitar “derramamento de sangue”

O Papa escreveu uma carta a Nicólas Maduro depois de este ter enviado um pedido de mediação à Santa Sé. Francisco reiterou “a necessidade de se evitar” derramamento de sangue.
Recomendadas

Daesh reinvidica autoria dos atentados no Sri Lanka

O autoproclamado Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelos atentados de domingo no Sri Lanka, que mataram 310 pessoas, incluindo um português, e feriram mais de 500.

Sanções dos EUA ao Irão levam petróleo a atingir o valor mais alto desde novembro

O preço do barril de Brent valia 74,67 dólares esta manhã, o valor mais elevado desde novembro. Antes da reimposição das sanções dos EUA, o Irão exportava diariamente três milhões de barris de petróleo.

DBRS: Brexit pode vir a ser novamente adiado ou até mesmo cancelado

A agência de notação financeira canadiana prevê que a economia de terras de Sua Majestade continue a crescer, mas a um ritmo mais lento.
Comentários