Ventos da reserva federal norte-americana continuam a soprar em Wall Street

Uma forte procura por segurança que não é compatível com os ganhos verificados, podendo tal indiciar uma surpresa para a sessão de hoje ou de amanhã.

Diz o ditado que “há males que vêm por bem”, ora na sessão de quarta-feira foi exactamente isso que aconteceu com os investidores a retirarem optimismo dos maus dados económicos que saíram sobre o mercado de trabalho nos EUA, pois tal fraqueza poderá ajudar o banco central norte-americano a cortar os juros mais vezes e mais cedo, havendo agora mesmo uma boa percentagem do mercado que acredita numa descida já no mês de Julho, com vista a uma actuação preventiva para conter os efeitos negativos do agudizar da guerra comercial, que Trump tem desenvolvido com algumas das principais economias do mundo, mas com óbvio destaque para o conflito com a China.

Com efeito, em resposta à forte desilusão verificada nos números ADP sobre a criação de postos de trabalho no privado, que cresceram ao ritmo mais baixo dos últimos nove anos, com apenas 27.000 criados contra os 173.000 esperados, o sentimento predominante continuou a ser o cenário dovish pintado pelo presidente do FED, bem como da probabilidade das tarifas ao México não chegarem a ver a luz do dia, com o líder da maioria no Senado dos EUA, do partido Republicano, a referir que o presidente deveria expor o seu caso antes de tentar impor tais sanções, visto que serão muito provavelmente bloqueadas.

Duas curiosidades muito relevantes, a primeira a clara divergência entre as small caps, com o Russel 2000 a perder valor, ainda que por uma margem residual de -0.12%, enquanto que os três índices principais valorizaram entre os 0.64% do Nasdaq e os 0.82% atingidos pelo industrial Dow Jones e o abrangente S&P500. A segunda foi outra divergência, desta feita no comportamento dos sectores no principal índice, com os activos refúgio a registarem as maiores valorizações do dia, com subidas de 2.33% no imobiliário, 2.14% nas utilities e 1.12% nas retalhistas de produtos essenciais, ou seja uma forte procura por segurança que não é compatível com os ganhos verificados, podendo tal indiciar uma surpresa para a sessão de hoje ou de amanhã.

No mercado cambial o dia foi de subida para o U.S dólar, com a moeda norte-americana a impor-se contra um cabaz de outras moedas principais após uma valorização de 0.3%, o que empurrou tanto o Euro, como o Yen para perdas de 0.3%.

O gráfico de hoje é do EURUSD, o time-frame é Diário

O principal par de moedas encontrou ontem resistência na linha superior do canal descendente (azul), tal como seria expectável, contudo os próximos dias irão confirmar se essa zona é de resistência duradoura ou apenas pontual.

Ler mais
Recomendadas

Depois do BCE, o que vai fazer a Fed? Investidores com reservas deixam Wall Street no ‘vermelho’

O alargado S&P 500 recuou 0,11% para 3.006,16 pontos e o Nasdaq tombou 0,31% para 7.892,95. Apenas o industrial Dow Jones conseguiu manter-se no verde e fechou com uma valorização de 0,14% para 27.219,52 pontos.

S&P mantém ‘rating’ de Portugal, mas sobe ‘outlook’ para positivo

Agência norte-americana manteve a notação financeira de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’ de ‘estável’ para ‘positivo’. Política monetária do BCE, juntamente com os ganhos de competitividade em Portugal, melhoraram a resiliência externa da economia e reduziram o custo do serviço da dívida externa, justificou a S&P.

PSI20 fecha semana no ‘verde’ com BCP a ajudar

Por setores, note-se que a banca foi dos mais animados com os espanhóis Sabadell e CaixaBank na linha da frente. BCP aproveitou o ambiente do setor e deu impulso ao PSI20, com uma subida acima dos 4%.
Comentários