Viabilizadas 256 camas para empreendimento turístico nas antigas instalações da Ilma

O executivo entendeu que o projeto reuniu os requisitos de instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos.

Funchal

O conselho de governo decidiu aprovar, na última reunião, uma capacidade máxima de 256 camas para o empreendimento turístico, que vai ser construído nas antigas instalações da Ilma, na Estrada Monumental, com quatro estrelas, de acordo com uma resolução, publicada em diário oficial, durante esta semana.

O projecto de empreendimento turístico, levado a cabo pela Ann Madeira Lacticínios, foi analisado pela Secretaria Regional do Turismo e cultura, diz a resolução publicada em Diário Oficial, na sequência de um pedido de informação prévio da empresa.

A secretaria regional constatou que o projeto “reúne os requisitos de instalação, exploração e funcionamento” dos empreendimentos turísticos.

Esta aprovação salienta a resolução é assente, entre outros motivos, na política do Governo Regional em dar prioridade no espaço urbano, e considera também o facto deste projecto turístico ser desenvolvido numa área fabril desactivada e que é necessária reconverter.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Sara Cerdas nomeada para delegações Euro-Latino-Americana e África do Sul

Sara Cerdas afirma a necessidade de “construir pontes, criar relações consolidadas e intervir diretamente nos problemas que afetam diariamente os nossos emigrantes”, acrescentando que o Parlamento Europeu dispõe de mecanismos que podem ajudar a ultrapassar alguns desses problemas.

Madeira: CDU denuncia destruição do Vale do Porto Novo por utilização de pedreiras e britadeiras

Edgar Silva diz que a destruição ambiental na Região “é uma realidade que acontece porque conta com poderosos interesses económicos aos quais os governantes nas autarquias e no Governo Regional dão proteção”.

Albuquerque quer auscultar população para definir programa de Governo

Para o presidente do Governo Regional, a escolha nas eleições regionais, é entre aqueles que “salvaguardam o direito dos madeirenses a decidirem o seu presente e futuro” e “aqueles que estão subordinados aos interesses centralistas de Lisboa”.
Comentários