Vieira de Leiria: “Arte xávega” e turismo para recuperar do fogo

Depois do inferno vivido com os fogos do outono do ano passado, a terra vai renascendo para nos mostrar, de novo, as histórias que a fizeram, o que é hoje e a natureza que lhe dá caráter, onde a floresta encontra o mar. Vieira de Leiria é um desses locais e merece ser revisitado.

“… O dia está luminoso e vivíssimo de claridade, e já se sente o mar. Em Vieira de Leiria há uma Santa Rita de Cássia seiscentista, que o viajante vai espreitar e que por si mesma merece a visita. Aí está agora a praia da Vieira, toda aberta para sul, a foz do Lis logo acima. Há barcos na praia, de curvas e afiladas proas, os longos remos postos ao través, à espreita de que a maré favoreça e haja esperança de peixe” (José Saramago).

 

Este é um local ideal, que conjuga o natural cruzamento entre a floresta do Pinhal de Leiria e o mar da Praia da Vieira, com três atrações de maior interesse turístico: as extensas praias brancas com um grande areal, que chamam o verão; a sua pesca artesanal – chamada “arte xávega” – que nos dá o garante do peixe fresco; e o bonito Hotel Cristal Vieira Praia & Spa, com quartos dispostos em casas de madeira coloridas, muito ao jeito da Costa Nova, em Aveiro, com jardim no meio e acesso livre ao Parque Aquático Mariparque.

A exemplo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, uma forma solidária de se fazer férias fora, mas cá dentro, neste período de verão, é explorar durante uns dias uma das zonas afetadas pelos incêndios do passado verão, de má memória. Os incêndios do outono de 2017 consumiram 17.250 hectares em Alcobaça, Leiria e Marinha Grande. O parque de campismo da Praia da Vieira, por exemplo, foi levado pelas chamas.

Assim, é importante revisitar os locais, mas para usufruir do descanso e, com a presença, reforçar-lhe a vida.

Um desses locais lindíssimos, no centro litoral de Portugal, e que aqui recomendamos, é Vieira de Leiria, vila e freguesia da Marinha Grande (fica 14 quilómetros para norte), na margem esquerda do rio Lis – a praia da Vieira fica a sul da foz deste rio, de mais de 39 quilómetros de comprimento. Toda a vila e o seu centro distam, apenas, uns quilómetros da costa.

 

Pesca com história

Vieira de Leiria é conhecida pela sua zona industrial: outrora produziam-se ali cerâmica, vidro e limas. As fábricas e os armazéns que podemos ver na região estão, presentemente, relacionados com o plástico, o aço inoxidável e maquinagens. Mas entre as ocupações maiores das suas gentes estavam, no passado – pelo século XVIII –, o corte e serração para o fabrico do pez, com a ligação à mata. Contudo, a atividade principal, que ocupava as gentes e cujas origens remontam à Praia da Vieira, é a piscatória, que gerava maior fixação populacional através da tradicional “arte xávega”. Isto é, a pesca artesanal secular pelas redes de arrasto, que assegurava o sustento de muitas famílias (ainda assegura a de poucas dezenas), e o impacto comercial do próprio pescado – não só na lota local que vende o peixe mal chega a terra (aos habitantes e visitantes), como também nos restaurantes locais (e noutros vizinhos) com o peixe fresco capturado na hora e que atrai mais turistas.

Ora, a História universal escreve-se também nesse local: a população sofreu com a Invasão Francesa, em 1810, e teve de esconder-se, com os seus bens, no Pinhal do Rei. Muitas das casas da região foram então destruídas. Melhores tempos e dias surgiram no século XX, ganhando Vieira de Leiria com o fluxo de migrações internas no país dos “avieiros”. Embora a vida dos pescadores ficasse afetada pelos duros invernos, as comunidades de avieiros foram-se alojando nas vilas ribeirinhas. Durante muitos anos, estes dividiam a sua vida entre a primavera-verão em Vieira de Leiria, com a “arte xávega” da sardinha, e o outono-inverno no Tejo, com a “arte varina” do sável. Ainda hoje há quem divida desta forma a sua vida, alugando a sua casa de Vieira nos meses em que está ausente.

A “arte xávega” mantém-se, mas de modo paulatino, sem o maior êxito de outrora. Daniel Nunes, que faz pesca em Vieira de Leiria, conta como se desenvolve o processo: “Desde que entramos [no mar] até vir são cerca de duas horas e meia, sensivelmente”, conta, explicando que mantém ocupada quase uma vintena de pessoas. “São sempre precisos entre 15 a 18 homens, desde a ida ao mar até à recolha”, diz. A rede tem “400 ou 500 metros em cada manga, o que perfaz cerca de 900 metros, mais a boca do saco, o que dá uns 1.000 metros. Levamos no barco um cabo, lançamos a rede paralela aqui à praia e trazemos outro cabo. Depois os tratores fazem esse trabalho de puxar a rede”, explica.

E a rede tem vindo com peixe ou vazia? “Já tivemos lances que deram bastante trabalho, agora há outros que nem dá para o gasóleo”, diz.

 

Um futuro diferente

Facto é que as dificuldades permanecem e outras surgem, como um gosto menor das novas gerações das famílias de pescadores por este tipo de pesca artesanal. As famílias já não estão dispostas a sofrer e a correr os mesmos riscos elevados que são corridos com a faina no mar alto, ou mesmo a chegar a terra. “Já tivemos momentos de pânico: o barco já afundou duas vezes, na zona da pancada do mar que chamamos de “cabeça”. É a área de rebentação, que é a mais forte, a 150 ou 200 metros do areal”, conta Daniel Nunes, pescador com 12 anos de vida no mar. “Uma das vezes tivemos de vir a nado e, da outra vez, houve uma embarcação que nos foi buscar”, conta. E não pensa em desistir? “Não, porque quando era pequenito já aqui andava a ajudar a puxar as redes, que eram retiradas a tirante e antes ainda eram puxadas por vacas. Por isso, fascinou-me logo de criança quando vinha para aqui”.

Hoje, é diferente: há uma nova gama de ofertas profissionais alargadas noutras áreas, outros caminhos que não existiam no tempo de ouro da “arte xávega”.

A Praia de Vieira não perdeu, contudo, o melhor que tem e isso é que importa preservar, visitando o local, observando a chegada dos pescadores com o peixe e todo o processo artesanal, consumindo um peixe saboroso acabadinho de pescar e contribuindo para o crescimento económico da vila e da região. “Isto é o ex-líbris aqui da praia e, se calhar, 70% do peixe que as pessoas adquirem é peixe fresco, acabado de pescar”, diz Daniel Nunes.

Autor: André Rubim Rangel

Ler mais
Recomendadas

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS 

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e a descida de taxas observada em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Bruxelas adverte para “riscos elevados” nas finanças públicas de Portugal

“No médio prazo, os riscos de sustentabilidade orçamental parecem ser elevados para Portugal”, consideram os serviços da Comissão Europeia, sustentando a avaliação na análise da sustentabilidade da dívida e do indicador da sustentabilidade orçamental a médio prazo

El Mundo: Dono do BPI vai despedir mais de 2 mil trabalhadores em Espanha

Depois de anunciar o fecho de 800 agências em Espanha, o CaixaBank prepara-se para despedir mais de dois mil trabalhadores, avança o El Mundo.
Comentários