VINCI Airports aumenta 7,3% tráfego de passageiros no segundo trimestre de 2019

A Vinci Airports refere que os “bons resultados” devem-se, particularmente, à abertura de várias ligações aéreas, em vários casos pela primeira vez, com diferentes capitais mundiais.

O tráfego de passageiros nos VINCI Airports aumentou 7,3% o tráfego de passageiros no segundo trimestre deste ano, em comparação com o período homólogo. Este aumento totalizou os 66,2 milhões de passageiros no conjunto dos 46 aeroportos da rede.

Já no primeiro trimestre deste ano, a rede de aeroportos tinha registado um aumento no tráfego de passageiros de 6,7%, comparando com o mesmo trimestre de 2018. Isto equivale a 16,4 milhões de passageiros, sendo que Portugal é o país, dentro da rede VINCI Airports, que apresenta maior tráfego de passageiros, à frente do Reino Unido, Japão e França que se situam em segundo, terceiro e quarto lugar respetivamente.

A VINCI Airports refere que os “bons resultados” devem-se, particularmente, à abertura de várias ligações aéreas, em vários casos pela primeira vez, com diferentes capitais mundiais.

Em Portugal, o número de passageiros aumentou 7,8% nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores. Este crescimento é justificado pela rede de aeroportos pelo facto de a Qatar Airways ter aberto a primeira ligação direta entre Lisboa e Doha em junho, ao mesmo tempo que a TAP passou a voar para Washington DC.

Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários