VINCI Airports aumenta 7,3% tráfego de passageiros no segundo trimestre de 2019

A Vinci Airports refere que os “bons resultados” devem-se, particularmente, à abertura de várias ligações aéreas, em vários casos pela primeira vez, com diferentes capitais mundiais.

O tráfego de passageiros nos VINCI Airports aumentou 7,3% o tráfego de passageiros no segundo trimestre deste ano, em comparação com o período homólogo. Este aumento totalizou os 66,2 milhões de passageiros no conjunto dos 46 aeroportos da rede.

Já no primeiro trimestre deste ano, a rede de aeroportos tinha registado um aumento no tráfego de passageiros de 6,7%, comparando com o mesmo trimestre de 2018. Isto equivale a 16,4 milhões de passageiros, sendo que Portugal é o país, dentro da rede VINCI Airports, que apresenta maior tráfego de passageiros, à frente do Reino Unido, Japão e França que se situam em segundo, terceiro e quarto lugar respetivamente.

A VINCI Airports refere que os “bons resultados” devem-se, particularmente, à abertura de várias ligações aéreas, em vários casos pela primeira vez, com diferentes capitais mundiais.

Em Portugal, o número de passageiros aumentou 7,8% nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores. Este crescimento é justificado pela rede de aeroportos pelo facto de a Qatar Airways ter aberto a primeira ligação direta entre Lisboa e Doha em junho, ao mesmo tempo que a TAP passou a voar para Washington DC.

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários