Vinhos Manzwine e gin Gothik entre os vencedores de produção nacional do Intermarché

A sessão de entrega do ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’ está a decorrer desde as 18h30m desta tarde do dia 2 de outubro, estando a respetiva cerimónia de encerramento a ser presidida pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos.

O ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’, na sua quinta edição, deu a conhecer há minutos a lista de vencedores deste ano, entre os quais se contam o gin Gothik e os vinhos Manzwine.

Em declarações ao Jornal Económico, André Manz, responsável pela produtora de vinhos de Mafra, Manzwine, adianta que a empresa “iniciou a sua atividade em 2009, com entrada dos primeiros vinhos no mercado em 2011”.

“Para o que é um negócio de primeira geração, consideramos que tivemos uma rápida ascensão, culminada com uma significativa vitória em 2016, onde foi atingido o ‘breakeaven’ da marca. Este resultado iniciou assente numa distribuição local e na presença num segmento de restauração mais seletivo, exponenciado nos últimos anos por uma aposta ganha na exportação, onde já marcamos presença em 21 países”, defende este responsável.

De acordo com André Manz, “o objetivo para 2018 é fechar nas 400.000 garrafas, e para o próximo ano atingir meio milhão”.

“Este prémio surge como uma dádiva, tendo em consideração que até 2017 grande parte do resultado provinha do mercado internacional e há muito que tínhamos como objectivo conquistar em definitivo o mercado nacional. Com a colaboração do Intermarché, para além da possibilidade de entrarmos em cerca de 250 lojas, ficamos associados a um dos melhores serviços de garrafeira da distribuição moderna”, sublinha André Manz.

Por seu turno, Gonçalo Pereira, sócio da MVPGIN, sociedade que produz e comercializa o gin Gothik, de Santarém, explica que, “embora ainda recente, a empresa registou uma evolução bastante positiva desde 2016, em volume de negócios e em resultados”. “Do ano passado para este ano, espera-se uma evolução na ordem dos 23% em volume de negócios da empresa”, adianta aquele responsável, sem revelar os números específicos.

Segundo Gonçalo Pereira, “as perspetivas são de uma nova evolução a dois dígitos em volume de negócios, consolidação comercial e estabilidade financeira ao nível de tesouraria”.

“A evolução do volume de negócios da empresa pode ser potenciada através do prémio, pela sua comunicação ao nível da produção nacional e sustentabilidade ambiental. O Intermarché garante-nos uma rápida distribuição a custo reduzido, assumindo um papel fundamental na nossa margem de negócio e traz-nos ainda a proximidade ao consumidor que para a longevidade da marca é também fundamental de um ponto de vista comercial”, garante o administrador da MPVGIN.

A sessão de entrega do ‘Prémio Intermarché Produção Nacional’ está a decorrer desde as 18h30m desta tarde de dia 2 de outubro, estando a respetiva cerimónia de encerramento a ser presidida pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos.

Além da atribuição dos prémios e da divulgação dos produtores vencedores desta edição, a cerimónia contará com um debate sobre a sustentabilidade no setor, com os múltiplos desafios que esta coloca à agroindústria e à distribuição, da competitividade à economia circular e à embalagem. A iniciativa conta com o apoio institucional do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural”, destaca um comunicado do ministério liderado por Capoulas Santos.

Ler mais
Recomendadas

Produtores nacionais de frutas e legumes querem exportar 500 milhões para Espanha até 2019

Em 2017, as vendas desta fileira ao mercado espanhol totalizaram 450 milhões de euros, mais 13,6% do que no ano anterior (396 milhões). Quatro dezenas empresas, associações e parceiros vão mostrar em Madrid a 70 mil visitantes, provenientes de 120 países, o que de melhor se produz em Portugal.

Danone desacelera no terceiro trimestre mas sobe vendas para 6,2 mil milhões de euros

A Danone justifica o menor crescimento de vendas com a diminuição da procura de produtos alimentares para bebés na China e, ainda, pelo boicote levado a cabo pelos consumidores em Marrocos.

Grupo Soja de Portugal quer atingir 40% de exportações em 2022

A aposta nas exportações resultou em grande parte da crise que se abateu sobre o país, mas, passado o pior momento, é uma estratégia que o grupo tem todo o interesse em repetir. O que não é para repetir é o mercado de capitais, que a Soja abandonou em 2000.
Comentários