PremiumVips abre cadeia de restaurantes italianos em Lisboa

Com a abertura do restaurante Ginos, o grupo espanhol reforça o investimento em Portugal, uma década depois de ter trazido a Starbucks.

Com a zona da Expo, em Lisboa, como pano de fundo, o Grupo Vips acaba de abrir o seu 122º restaurante da cadeia Ginos, de comida italiana, o primeiro investimento feito fora de Espanha, o mercado de origem da empresa.

O Grupo Vips é um dos líderes do setor da restauração em Espanha que gere em Espanha e Portugal, em propriedade ou franchising, seis marcas, designadamente a Vips, Vips Smart, Ginos, Starbucks, Fridays e Wagamama. Soma atualmente mais de 450 estabelecimentos e atingiu, em 2017, uma faturação de 415 milhões de euros.

A Ginos, com mais de 120 estabelecimentos em Espanha, 1.800 colaboradores e uma faturação de 90 milhões de euros no ano passado, é uma cadeia de restaurantes especializada em gastronomia italiana que se destaca pelos espaços modernos, acolhedores e informais. Criada nos finais dos anos 80 pelo Grupo Vips, oferece uma viagem por Itália através de uma carta gastronómica, composta por pratos artesanais e receitas de origem italiana, desde saladas, massa, pizza, ou sobremesas, apostando na personalização ao permitir que cada cliente crie os seus pratos.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumHabitação centra atenções dos partidos na especialidade

Depois de duas semanas de audições de apreciação, o prazo para entrega de alterações ao Orçamento do Estado para 2019 termina esta sexta-feira.

PremiumPortugal é exemplo de especulação nas transferências do futebol

Mercado de trabalho do jogador de futebol na Europa é cada vez mais especulativo, com os dirigentes e agentes a procurar mais retorno financeiro no mercado de transferências, em detrimento de objetivos desportivos, diz estudo. Portugal é paradigmático.

PremiumEstudo conclui que resposta à imigração tem de ser global e local

Se a União Europeia não engendrar uma solução para o problema, é a própria União que ficará em causa, concluiu estudo académico de João Estevens.
Comentários