PremiumVisita de Xi Jinping “tem valor” mas Portugal deve ter “cautela”

George Friedman avalia a visita do presidente chinês a Portugal como positiva. Ainda que não preveja riscos, alerta sobre as expetativas sobre os resultados que podem resultar dos acordos assinados.

Um aprofundamento da relação político-diplomática e económica entre Portugal e a China não acarreta riscos para a política externa portuguesa, mas os países devem moderar as expetativas sobre os resultados que possam advir dos acordos internacionais. O argumento é defendido por George Friedman, fundador e chairman da Geopolitical Futures, a propósito da visita do presidente chinês, Xi Jinping, a Portugal nos próximos dias 4 e 5 de dezembro.

Em entrevista ao Jornal Económico, o analista de geopolítica, que fundou e liderou o conceituado think tank de geopolítica Stratfor durante 20 anos e comanda agora a Geopolitcal Futures, disse que “Portugal deveria estar a falar com todas as nações, e ser honrado com uma visita de Xi Jinping tem valor para a imagem de Portugal”.

Xi Jinping está a chegar a Portugal. Esta é a agenda do presidente chinês

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Xi Jinping está a chegar a Portugal. Esta é a agenda do presidente chinês

Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Eduardo Ferro Rodrigues irão encontrar-se com o líder máximo chinês em Portugal nesta quarta e quinta-feira.

Portugal/China: PR chinês quer reforçar cooperação pragmática com Portugal

O Presidente chinês, Xi Jinping, declarou, num artigo este domingo publicado no “Diário de Notícias” e no “Jornal de Notícias”, que pretende reforçar a cooperação pragmática entre China e Portugal, que tem dado resultados frutíferos para os dois lados.

PremiumEDP e rendas da energia marcam visita do presidente chinês a Portugal

Xi Jinping, líder do país mais populoso do mundo, visita Portugal a 4 e 5 de dezembro. Traz consigo a possibilidade de acordos em várias áreas, mas OPA à EDP e rendas da energia deverão ser discutidos.
Recomendadas

CGD: “Gestão de risco foi contrabalançada com políticas comerciais mais agressivas”, diz autora do relatório da EY

Auditores da EY estão a ser ouvidos na comissão parlamentar de inquérito criada após a divulgação de documento que concluiu por perdas de 1.647 milhões de euros em 186 operações de crédito que acabaram por se revelar ruinosas.

CGD: “Entre 2005 e 2008 foi um período com perdas avultadas”, diz autora de relatório da EY

A EY é a primeira entidade que está a ser ouvida na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD, após divulgação de relatório à gestão da Caixa entre 2000 e 2015, que concluiu por perdas de 1.647 milhões de euros. Autora da auditoria, Florbela Lima, diz que não se pode relacionar totalidade de perdas dos 25 créditos mais ruinosos com incumprimento de regulamentos internos.

LL.M. o ‘MBA do direito’

Esta formação pós-graduada destina-se a licenciados em direito, experientes ou recém saídos da universidade.
Comentários