PremiumVisita de Xi Jinping “tem valor” mas Portugal deve ter “cautela”

George Friedman avalia a visita do presidente chinês a Portugal como positiva. Ainda que não preveja riscos, alerta sobre as expetativas sobre os resultados que podem resultar dos acordos assinados.

Um aprofundamento da relação político-diplomática e económica entre Portugal e a China não acarreta riscos para a política externa portuguesa, mas os países devem moderar as expetativas sobre os resultados que possam advir dos acordos internacionais. O argumento é defendido por George Friedman, fundador e chairman da Geopolitical Futures, a propósito da visita do presidente chinês, Xi Jinping, a Portugal nos próximos dias 4 e 5 de dezembro.

Em entrevista ao Jornal Económico, o analista de geopolítica, que fundou e liderou o conceituado think tank de geopolítica Stratfor durante 20 anos e comanda agora a Geopolitcal Futures, disse que “Portugal deveria estar a falar com todas as nações, e ser honrado com uma visita de Xi Jinping tem valor para a imagem de Portugal”.

Xi Jinping está a chegar a Portugal. Esta é a agenda do presidente chinês

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Xi Jinping está a chegar a Portugal. Esta é a agenda do presidente chinês

Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Eduardo Ferro Rodrigues irão encontrar-se com o líder máximo chinês em Portugal nesta quarta e quinta-feira.

Portugal/China: PR chinês quer reforçar cooperação pragmática com Portugal

O Presidente chinês, Xi Jinping, declarou, num artigo este domingo publicado no “Diário de Notícias” e no “Jornal de Notícias”, que pretende reforçar a cooperação pragmática entre China e Portugal, que tem dado resultados frutíferos para os dois lados.

PremiumEDP e rendas da energia marcam visita do presidente chinês a Portugal

Xi Jinping, líder do país mais populoso do mundo, visita Portugal a 4 e 5 de dezembro. Traz consigo a possibilidade de acordos em várias áreas, mas OPA à EDP e rendas da energia deverão ser discutidos.
Recomendadas

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Boris Johnson vence segunda volta da votação para líder dos conservadores

Dominic Raab ficou fora da corrida porque não obteve os 10% de votos exigidos para passar ao próximo escrutínio, que acontece esta quarta-feira. Amanhã não conta a percentagem e será eliminado o último candidato à sucessão de Theresa May.

Vítor Constâncio nega “interferência” do Banco de Portugal na luta pelo BCP

O ex-governador do Banco de Portugal garantiu esta terça-feira, no parlamento, que o supervisor não exerceu qualquer “interferência” nas lutas pelo poder no BCP em 2007.
Comentários