Vistos ‘Gold’: Investimento captado em janeiro mais que triplica

Os Vistos ‘Gold’ arrecadaram mais de 141 milhões de euros só no primeiro mês do ano, o triplo do investimento captado em termos homólogos.

Segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em janeiro, o investimento captado através dos Vistos ‘Gold’ subiu 61% face a dezembro. Em termos homólogos, atingiu os 141 milhões de euros, avança a agência “Lusa”.

A Autorização de Residência para a atividade de Investimento (ARI), como também são conhecidos os vistos ‘Gold’, totalizou um investimento total de 141.250.454,23 euros, valor que corresponde a uma subida de 87.482.100,72 euros (+266%) face janeiro de 2016 (38.574.620,34 euros).

Do montante captado em janeiro, 126.510.764,48 euros correspondeu a investimentos de compra de bens imóveis, enquanto a transferência de capital arrecadou 14.739.689,75 euros. No primeiro mês do ano, foram atribuídos 221 vistos dourados. Destes, 207 foram  concedidos mediante o critério de aquisição de bens imóveis, sendo que no mês passado foram atribuídos mais três destinados a  reabilitação urbana, no âmbito das novas regras de concessão de ARI, em vigor desde setembro de 2015.

Os restantes 14 foram atribuídos pelo critério de transferência de capital.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (3.154 até janeiro). Segue-se o Brasil (282), Rússia (159), África do Sul (148) e Líbano (80).

As novas regras para a obtenção de Vistos ‘Gold’, que alargaram os critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência, entre outras, entraram em vigor a três de setembro de 2015.

Desde 2013 foram atribuídas 7.038 autorizações de residência a familiares reagrupados: 576 em 2013, 2.395 em 2014, 1.322 em 2015, 2.344 em 2016 e 401 em 2017.

 

 

 

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários